2% da riqueza de Elon Musk ajudaria a resolver fome no mundo, diz diretor da ONU

Patrimônio líquido dos bilionários dos EUA quase dobrou desde o início da pandemia, chegando a US$ 5,04 trilhões em outubro

Elon Musk
Elon Musk Britta Pedersen-Pool/Getty Images

Eoin McSweeneyAdam Pourahmadido CNN Business

Ouvir notícia

Um pequeno grupo de indivíduos ultra-ricos poderia ajudar a resolver a fome no mundo com apenas uma fração de seu patrimônio líquido, diz o diretor do Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas.

Os bilionários precisam “avançar agora, uma única vez”, disse David Beasley em uma entrevista no Connect the World da CNN com Becky Anderson, que foi ao ar na terça-feira – citando especificamente os dois homens mais ricos do mundo, Jeff Bezos e Elon Musk.

“US$ 6 bilhões para ajudar 42 milhões de pessoas que literalmente morrerão se não as alcançarmos. Não é complicado”, acrescentou.

O presidente-executivo da Tesla, Musk, tem um patrimônio líquido de quase US$ 289 bilhões, de acordo com a Bloomberg, o que significa que Beasley está pedindo uma doação de apenas 2% de sua fortuna.

O patrimônio líquido dos bilionários dos EUA quase dobrou desde o início da pandemia, chegando a US$ 5,04 trilhões em outubro, de acordo com os grupos progressistas Institute for Policy Studies e Americans for Tax Fairness.

Uma “tempestade perfeita” de várias crises, como a mudança climática e a pandemia de Covid-19, significa que muitas nações estão “batendo à porta da fome”, disse Beasley.

Metade da população do Afeganistão – 22,8 milhões de pessoas – enfrenta uma crise aguda de fome, de acordo com um relatório do Programa Alimentar Mundial (PMA) divulgado segunda-feira.

O desemprego galopante e uma crise de liquidez significam que o país está à beira de uma crise humanitária e 3,2 milhões de crianças menores de cinco anos estão em risco, concluiu o relatório.

Uma série de novos relatórios do governo Biden emitiu um alerta severo na semana passada: Os efeitos da mudança climática serão de amplo alcance e representarão problemas para todos os governos.

Entre os relatórios, o governo detalha como as mudanças climáticas estão impulsionando a migração, a primeira vez que o governo dos Estados Unidos reconhece oficialmente a ligação entre as mudanças climáticas e a migração.

O PMA alertou sobre este aumento de movimento no passado, particularmente na região do “Corredor Seco” na América Central.

“Por exemplo, tome os Estados Unidos e a região da América Central, o Corredor Seco, Guatemala, Honduras, El Salvador e Nicarágua – apenas nessa área”, disse Beasley na terça-feira. “Estamos alimentando muita gente lá e o clima está mudando com furacões e enchentes; é simplesmente devastador”.

Na Etiópia, o PMA estima que 5,2 milhões de pessoas precisam urgentemente de assistência alimentar na região de Tigray, onde a primeira-ministra Abiy Ahmed liderou uma grande ofensiva contra a Frente de Libertação do Povo Tigray (TPLF) desde o ano passado.

Desde então, milhares de civis foram mortos, enquanto mais de 2 milhões foram deslocados.

Organizações humanitárias como o PMA têm lutado para levar suprimentos aos necessitados na região, agravando a crise.

“Eu não sei de onde eles estão conseguindo a comida”, disse Beasley na ampla entrevista. “Estamos sem combustível. Estamos sem dinheiro, em termos de pagar nosso pessoal e estamos ficando sem dinheiro e não podemos colocar nossos caminhões.”

(Texto traduzido. Clique aqui para ler o original em inglês)

Mais Recentes da CNN