Bolsonaro e Guedes repercutem dados econômicos em evento da Fiesp


André Jankavski Do CNN Brasil Business, em São Paulo
04 de março de 2020 às 20:20 | Atualizado 15 de março de 2020 às 17:13
O presidente Jair Bolsonaro, o ministro Paulo Guedes e o senador Davi Alcolumbre

O presidente da República Jair Bolsonaro e o ministro Paulo Guedes (Economia) entregam o plano Mais Brasil ao presidente do Senado Davi Alcolumbre (DEM-AP) (05.nov.2019)

Crédito: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e o ministro da Economia, Paulo Guedes, deverão participar na manhã desta quinta-feira (5) de um evento com empresários na Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo).

O encontro acontece um dia após a divulgação do PIB (Produto Interno Bruto) de 2019, que teve alta de 1,1%, a menor em três anos, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

A recepção ficará a cargo do presidente da Fiesp, Paulo Skaf, que articula um conselho empresarial chamado “Diálogo pelo Brasil”. O evento será uma espécie de ato favorável às reformas em tramitação no Congresso.

E não é a primeira vez que isso acontece. No último mês, a Fiesp recebeu representantes do alto escalão do governo federal, como o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, e o próprio Guedes, em eventos para debater os rumos da economia brasileira.

Para o encontro desta quinta-feira foram convidados mais de 40 empresários, entre acionistas, executivos e representantes das maiores companhias do país. O objetivo da reunião é discutir temas relacionados aos “desafios, perspectivas, investimentos, geração de empregos e o crescimento do país”, informa a Fiesp em comunicado.

Para dar mais força ao debate, a ideia de Skaf é, durante o evento, lançar um conselho com os maiores empresários do Brasil. Entre os nomes ventilados para o conselho do “Diálogo pelo Brasil” estão André Gerdau, presidente da Gerdau, Philipp Schiemer, presidente da Mercedes-Benz, Fábio Coelho, presidente do Google, e Luiz Carlos Trabuco, presidente do conselho do Bradesco.

O evento será mais uma oportunidade de o presidente comentar os dados econômicos anunciados na quarta-feira (4). Na saída do Palácio do Planalto, em Brasília, Bolsonaro preferiu escalar o humorista Márvio Lúcio, que interpreta o personagem Carioca, para responder a jornalistas.

A resposta do presidente fugiu do convencional: “PIB? O que é PIB? Pergunta o que é PIB”, disse o presidente ao ator. A reação do humorista foi distribuir bananas a apoiadores e profissionais da imprensa.

O fraco resultado econômico do ano passado foi impactado, entre outros fatores, pelo baixo nível de investimentos, a lenta recuperação do mercado de trabalho e os efeitos do desastre de Brumadinho no setor produtivo.

O resultado de 1,1% veio em linha com o que esperavam os especialistas no último Boletim Focus, do Banco Central (BC), que previam uma alta de 1,17%, mas ficou distante das estimativas otimistas do início de 2019.