Dólar impede recuperação de vendas de carro importado


Estadão Conteúdo
04 de Março de 2020 às 20:18 | Atualizado 15 de Março de 2020 às 20:14

A previsão feita em janeiro de aumento de 20% nas vendas de carros importados por marcas sem fábricas no País, tendo como base a melhora da economia, já está sendo revista para possível queda nos negócios em razão da disparada do dólar.

"A cotação do dólar começou o ano em R$ 3,80 e, no segundo mês, já está em R$ 4,50; como podemos fazer planejamentos?", questiona José Luiz Gandini, presidente da Associação Brasileira das Empresas Importadoras e Fabricantes de Veículos (Abeifa) e da Kia Motors, maior importadora do País.

A previsão era de vender 42 mil veículos, mas hoje a Abeifa não tem projeção. A entidade previa a abertura de 60 concessionárias este ano, mas Gandini não vê chances de isso ocorrer.

fábrica carros

Previsão de venda de carros importados despencou com a alta do Dólar (13.Ago.2013)

Crédito: Nacho Doce/Reuters

O setor já teve 850 revendas em 2011, quando foram vendidos 199 mil veículos importados, e hoje tem 419. O fechamento de lojas se intensificou com a aprovação, em 2012, do programa Inovar-Auto, que impôs alta de 30 pontos porcentuais no IPI de carros feitos fora do Mercosul, que varia de 7% a 25%.

Desde então, executivos da Abeifa fazem peregrinações a Brasília para discutir a redução do Imposto de Importação, de 35%, mas, segundo Gandini, não há respostas nem mesmo do governo Bolsonaro que tem agenda liberal e prometia reduzir a alíquota para 20%. "Esse corte ajudaria a compensar as perdas com a volatilidade cambial e não teria qualquer efeito na balança comercial, pois representamos apenas 1,3% das vendas de veículos no País", justifica.

Gandini lembra que os importadores empregavam 35 mil funcionários em 2011, número que hoje é de 14 mil. "As novas lojas gerariam cerca de 1,8 mil vagas."

No primeiro bimestre foram vendidos 5.075 carros importados. O número é 2,1% superior ao de igual período de 2019 mas, se a valorização cambial se manter, logo a comparação será negativa. Além do II, o carro importado paga outras taxas superiores às do nacional.

"Os governos não tratam os importadores como empresas brasileiras", diz Gandini. Segundo ele, a epidemia de coronavírus ainda não afeta os negócios do setor.

Paulo Garbossa, consultor da ADK Automotive, corrobora a necessidade de intervenção governamental "para não matar a indústria" e estima que o problema também poderá afetar a produção nacional a longo prazo.

"Se o dólar não voltar (ao câmbio do início do ano), os preços do carro produzido no Brasil, que tem peças importadas, vai sofrer reajustes", diz.