Wall Street tem forte queda em meio a receio de vírus na Califórnia


Reuters
05 de março de 2020 às 13:02 | Atualizado 15 de março de 2020 às 17:09
Bolsa de valores

Operador trabalha na Bolsa de Nova York (5.Mar.2020)

Crédito: Reuters/Andrew Kelly

Os índices de ações dos EUA caíam mais de 2% nesta quinta-feira, com a rápida disseminação do coronavírus nos Estados Unidos levando a Califórnia a declarar uma emergência, enquanto as ações das companhias aéreas eram prejudicadas pela demanda reduzida por viagens.

Com queda de quase 12% na semana passada --a pior desde a crise financeira de 2008-- o S&P 500 recuperava parte do baque conforme o crescimento de Joe Biden nas primárias democratas distraía os comerciantes do impacto cada vez maior do vírus.

O índice de referência, no entanto, ainda está cerca de 7,5% abaixo do seu recorde de 19 de fevereiro e os temores sobre as consequências econômicas seguem relevantes na mente dos investidores.

O número de mortos nos EUA por conta do coronavírus subiu para 11 nesta quinta-feira e a Califórnia registrou a primeira fatalidade fora do Estado de Washington, um dia depois de os legisladores aprovarem uma lei de 8,3 bilhões de dólares para combater o surto.

O índice de volatilidade da CBOE, que dá a medida do receio de Wall Street, saltava 4,61 pontos para 36,63.

Às 12:29 (horário de Brasília), o índice Dow Jones caía 2,43%, a 26.431 pontos, enquanto o S&P 500 perdia 2,427063%, a 3.054 pontos. O índice de tecnologia Nasdaq recuava 2,06%, a 8.832 pontos.