Ibovespa cai 9% na volta dos negócios após interrupção gerada pelo petróleo


Do CNN Brasil Business, em São Paulo
09 de março de 2020 às 12:07 | Atualizado 15 de março de 2020 às 13:53
 
Bolsa de Valores de São Paulo

Após circuit breaker, ações da Petrobras operavam em queda próxima de 20% em SP 

Foto: Amanda Perobelli/Reuters (27.02.2020)

Após a abertura nervosa com queda de 10% e a interrupção dos negócios por 30 minutos, os negócios na B3 voltaram com desvalorização ligeiramente menos intensa. Por volta das 11h45, o Ibovespa, que é o principal indice da bolsa brasileira, operava em queda 9,08%, aos 89.094 pontos. O movimento no mercado paulista acompanha o observado em Nova York, onde as principais bolsas também amenizaram a tendência negativa. No mesmo horário, o S&P 500 operava em queda de 5,49% e o Dow Jones registrava recuo de 5,72%.

A queda é resultado do nervosismo global após decisões da Arábia Saudita de derrubar os preços do petróleo no exterior. A decisão dos sauditas adiciona mais um componente negativo a um mercado já avesso a risco pelas preocupações relacionadas ao novo coronavírus e diante das dúvidas sobre o andamento da agenda de reformas no Brasil.

Em meio a essas preocupações, as ações preferenciais da Petrobras perdiam 21,33%, a R$ 17,97, no mesmo horário. Já o papel ordinário recuava 20,45%, a R$ 19,14. As ações preferenciais são conhecidas pela sigla PN e têm preferência na distribuição de dividendos. Já os papéis ordinários (ON) dão direito a voto.

Nos primeiros minutos dessa segunda-feira, o Ibovespa chegou a cair 10,02%, a 88.178 pontos, e às 10h34 foi anunciada a interrupção dos negócios, o chamado circuit breaker.