Vendas da Apple na China caem pela metade em fevereiro com efeito coronavírus

Embarques de aparelhos da marca para o país caíram para 494 mil, contra 1,27 milhão um ano antes

Reuters
09 de março de 2020 às 15:03 | Atualizado 15 de março de 2020 às 13:51
Por conta da epidemia de coronavírus, governo chinês restringiu viagens e pediu que moradores evitassem lugares públicos, o que afetou demanda por aparelhos.
Foto: Aly Song - 21.fev.2020/ Reuters

As vendas de smartphones da Apple na China caíram pela metade em fevereiro, mostraram dados do governo nesta segunda-feira (9). A queda na demanda pelos aparelhos é um efeito do surto de coronavírus no país.

Os envios de dispositivos da marca à China caíram para 494 mil no mê passado, contra 1,27 milhão contra fevereiro de 2019. Em janeiro, os embarques haviam ficado estáveis em pouco mais de 2 milhões.

Por conta da epidemia do vírus, a China restringiu as viagens e pediu aos moradores que evitassem locais públicos no fim de janeiro, pouco antes do festival do Ano Novo Lunar. Essas precauções foram mantidas durante a maior parte de fevereiro.

No total, as marcas de smartphones enviaram um total de 6,34 milhões de dispositivos ao país em fevereiro, queda de 54,7% em relação aos 14 milhões registrados em igual mês do ano passado. Os dados são da Academia Chinesa de Tecnologia da Informação e Comunicações (CAICT).

Foi também o nível mais baixo para o mês desde pelo menos 2012, quando a CAICT começou a divulgar os dados.

Os smartphones Android, que incluem dispositivos fabricados pela Huawei e Xiaomi, foram responsáveis pela maior parte da queda – os envios caíram de 12,72 milhões de unidades em fevereiro de 2019 para 5,85 milhões este ano.

As empresas de pesquisa IDC e Canalys previam anteriormente que os envios gerais de smartphones cairiam cerca de 40% no primeiro trimestre, à medida que o surto do vírus atingisse a demanda e provocasse problemas na cadeia de fornecimento.