Ibovespa abre negociações com alta de 4% após queda histórica


Reuters
10 de março de 2020 às 10:45 | Atualizado 15 de março de 2020 às 13:44

A bolsa paulista começava esta terça-feira (10) com o Ibovespa em alta, acompanhando a recuperação de mercados acionários no exterior, em meio a expectativas de ações coordenadas de governos e bancos centrais de todo o mundo para ajudar as economias em meio ao surto do novo coronavírus.

 

Bolsa de valores de São Paulo

Ibovespa tem dia de recuperação após queda histórica (25.jul.2019)

Foto: Amanda Perobelli/Reuters

Às 10:41, o Ibovespa subia 4,05%, a 89.554,19 pontos. O volume financeiro era de quase R$ 2 bilhões.

A alta vem após o Ibovespa ter fechado com queda de 12,17% na segunda-feira (9), o pior dia na bolsa em mais de duas décadas e marcado por circuit breaker. Decisões da Arábia Saudita derrubaram os preços do petróleo e adicionaram preocupações a um mercado já fragilizado pelo surto do coronavírus.

Ainda na segunda-feira, o presidente norte-americano Donald Trump disse que tomará importantes medidas para proteger a economia dos EUA contra impactos da disseminação do coronavírus. O governo do Japão planeja gastar mais de US$ 4 bilhões em um segundo pacote de ações para lidar com o vírus.

"A perspectiva de maiores gastos do governo está ajudando investidores a ignorar a ampliação nas medidas de contenção que reduzirão a atividade econômica", destacou o analista Jasper Lawler, chefe de pesquisa no London Capital Group, destacando entre as medidas as restrições de deslocamento na Itália.

A possibilidade de estímulos econômicos e sinais da Rússia de que conversas com a Opep seguem possíveis ainda apoiavam a melhora do petróleo no exterior, com o Brent em alta de mais 7,9%, após registrar a maior queda em quase 30 anos na véspera.

Tal cenário endossava a recuperação dos papéis da Petrobras, após terem registrado a maior queda da sua história na véspera. A preferenciais tinham alta de 12,15% e as ações ordinárias subiam 16,7%.

"Após uma 'segunda-feira de pânico, os ativos de risco estão abrindo em forte alta essa manhã. A possibilidade de uma atuação dos 'policymakers' para lidar com a crise, aliada a preços e 'valuations' mais atrativos está sustentando o mercado", afirmou o estrategista Dan Kawa, da TAG Investimentos, mais cedo em sua conta no Twitter.

"Eu vinha com uma visão e um viés muito mais cauteloso e negativo nas últimas semanas. Neste momento, ainda vejo um cenário extremamente frágil e incerto. Ainda espero volatilidade, mas acredito que parte relevante desta incerteza tenha sido precificada nos ativos de risco."