Petróleo sobe 8% com esperança de estímulos de governos e corte de produção


Do CNN Brasil Business, em São Paulo*
10 de março de 2020 às 19:17 | Atualizado 15 de março de 2020 às 13:41

Os preços do petróleo saltaram mais de 8% nesta terça-feira (10), recuperando-se parcialmente da forte queda da véspera, a maior em quase 30 anos. A alta foi conduzida pela expectativa de estímulos econômicos por países como Estados Unidos e Japão e pela decisão de produtores norte-americanos de reduzir gastos, o que pode levar a cortes de produção.

Os contratos futuros do petróleo Brent fecharam em alta de US$ 2,86, ou 8,3%, a US$ 37,22 por barril. Já o petróleo dos EUA avançou US$ 3,23, ou 10,4%, para US$ 34,36 o barril.

Na segunda-feira, o presidente dos EUA, Donald Trump, prometeu "grandes" medidas para proteger a economia do país contra a disseminação do coronavírus. Já o governo do Japão anunciou que planeja gastar mais de US$ 4 bilhões em um segundo pacote de medidas para lidar com as consequências do vírus.

Enquanto isso, produtores norte-americanos de "shale" (petróleo não convencional), entre eles a Occidental Petroleum, aprofundaram cortes de gastos, o que pode levar à redução da produção.

"Houve uma resposta quase que imediata dos produtores norte-americanos para cortar gastos, o que provavelmente resultará na diminuição da produção de petróleo dos EUA nos próximos meses", disse John Kilduff, sócio da Again Capital em Nova York, acrescentando que "a rapidez dessa resposta ajudou a impulsionar o mercado depois do colapso de segunda-feira", quando os preços caíram cerca de 25%.

Operadores classificaram a sessão como um "inside day", ou seja, sem fortes oscilações, uma vez que nenhum dos valores de referência tocou as mínimas ou máximas da véspera, e disseram que os preços aparentam estar se consolidando em um novo intervalo.

*(Com Reuters)

 
Refinaria Petróleo

Petróleo recuperou nesta terça-feira (10) parte das perdas registradas na véspera 

Foto: Nick Oxford/Reuters (22.ago.2018)