Bolsas asiáticas fecham em queda após restrição de Trump a viagens da Europa


Do CNN Brasil Business, em São Paulo
12 de março de 2020 às 04:57 | Atualizado 15 de março de 2020 às 12:41
Com máscara de proteção ao novo coronavírus, homem tem rosto refletido em painel

Com máscara de proteção ao novo coronavírus, homem observa painel com índices de ações, em Tóquio, no Japão (10.mar.2020)

Foto: Stoyan Nenov/ Reuters
 
As principais Bolsas de valores da Ásia voltaram a registrar fortes quedas na abertura do mercado nesta quinta-feira (12). O desempenho é reflexo do pronunciamento do presidente americano Donald Trump na noite anterior: como medida de precaução contra o novo coronavírus (COVID-19), os Estados Unidos suspenderam viagens entre o país e a Europa (com exceção do Reino Unido) por 30 dias.  

O índice Nikkei (Tóquio) fechou em queda de 4,41%, em tendência acompanhada por outros mercados: o índice Hang Seng (Hong Kong) registrou - 3,68%; e o Composite (Xangai) caiu 1,52%.

“Nós vamos suspender viagens da Europa aos Estados Unidos nos próximos 30 dias. As novas regras entrarão em vigor a partir da meia-noite de sexta-feira”, disse Trump na noite de quarta-feira, em um pronunciamento transmitido desde o Salão Oval. A medida não se estende à rota entre o país e o Reino Unido e não afeta residentes legais e familiares diretos de cidadãos americanos.

A medida deve gerar forte impacto em mercados de todo o mundo nesta quinta-feira. Nos dias anteriores, as Bolsas de valores já registravam fortes quedas pelas incertezas econômicas causadas pelo novo coronavírus e a "guerra de preços" do petróleo, envolvendo Rússia e Arábia Saudita. 

Na manhã de quarta, quedas também foram registradas nas bolsas de Tóquio (que fechou o dia com variação de - 2,27%), Hong Kong (-0,63%) e Xangai (-0,94%). O índice Ibovespa, de São Paulo, fechou o dia em recuo de 7,64% após realizar um circuit breaker (interrupção das negociações) durante o pregão para tentar amenizar a tendência de baixa.