Como 12 minutos com um CEO famoso pode ajudar a alavancar a sua carreira


Jeanne Sahadi Do CNN Business
15 de março de 2020 às 13:23 | Atualizado 15 de março de 2020 às 20:41
ceo

Plataforma oferece aulas com grandes líderes e empresários (15.mar.2020)

Foto: Amy Hirschi/Unplash

É provável que você nunca consiga encostar na parede alguém como o CEO da Disney, Bob Iger, para aprender seus segredos para o sucesso, ou se sentar com a fundadora da Spanx, Sara Blakely, para saber como ela começou um negócio multimilionário.

Mas você pode passar algumas horas com eles – ou com mais de 70 outras pessoas conceituadas em vários campos –, em uma série de lições que eles ensinam através da plataforma de streaming online MasterClass.

A avó do co-fundador e CEO David Rogier foi a inspiração para o MasterClass, que teve início em 2015. Tendo perdido tudo quando fugiu dos nazistas, contou Rogier, ela sempre dizia a ele que a educação é a única coisa que ninguém pode tirar de você.

"Podemos tornar o mundo mais justo se todos tiverem acesso a essas pessoas", disse Rogier à CNN Business.

O acesso custa US$ 90 para uma aula - o que geralmente inclui umas doze lições, com duração de 10 a 25 minutos, aproximadamente. O acesso a todas as aulas por um ano sai US$ 180.

Rogier disse que a aluna mais jovem até agora tem 8 anos – ela escolheu assistir à aula do astro do basquete Stephen Curry sobre lances, manuseio de bola e pontuação, com seu pai. A aluna mais velha tem 104 anos – assistiu a algumas aulas, incluindo 'a arte do conto', ministrada pela escritora Joyce Carol Oates.

Rogier não falará sobre como os instrutores da MasterClass são pagos. Mas sendo ícones em suas áreas, o dinheiro provavelmente não é o que os motive mais. Rogiers contou que um fator que os atrai para o ensino de uma master class é que eles têm o controle editorial, podem levar o tempo que quiserem para explicar as coisas e estão criando algo que pode fazer parte de seu legado.

"Oferecemos a eles um novo público de uma forma que possam se aprofundar substancialmente", disse Rogier.

O maior critério de Rogier para selecionar um novo instrutor? Tem que ser alguém com quem outros instrutores master gostariam de aprender. Sua lista de desejos para futuros instrutores inclui J.K. Rowling, Elon Musk, Michelle e Barack Obama.

Novas aulas estão sendo elaboradas. Rogier espera ter, até o próximo ano, uma nova aula disponível a cada semana e expandir internacionalmente, convidando famosos de outros países para ensinar em suas línguas nativas.

A CNN Business assistiu a algumas aulas dos líderes empresariais contratados como instrutores MasterClass e isso foi o que aprendemos.
 
Ao negociar grandes transações, Bob Iger mostra suas cartas cedo

Durante o mandato de Bob Iger como CEO da Disney, a empresa fez quatro grandes aquisições: Pixar, Marvel, Lucasfilm e 21st Century Fox. Ser prático e sincero o ajudou a fechar esses negócios. 

Ele disse que sabe o que quer quando entra em uma negociação e coloca suas cartas na mesa logo cedo. Ele citou como um bom exemplo sua negociação com Steve Jobs para adquirir a Pixar em 2006.

"Eu disse para o Steve bem o início, veja, isso é algo que [a Disney] realmente precisava fazer. Eu não usei a palavra 'desesperado'. Mas acho que ele pode ter deduzido assim, 'Ei, esse cara do outro lado da mesa parece desesperado. Posso conseguir tudo de que preciso", disse Iger.

Mas parece que Jobs recebeu bem a sinceridade. "Ele percebeu que não havia um jogo sendo disputado", disse Iger. "Ao invés disso, houve uma discussão, uma negociação com um resultado absoluto em mente. E, de certa forma, foi uma maneira de se despir dos egos. Eu não levei o meu ego para a mesa."
Iger também disse que, como líder, aprendeu a tomar decisões rápidas quando necessário.

Por exemplo, executivos da ABC, de propriedade da Disney, decidiram demitir a atriz Roseanne Barr e cancelar seu programa, "Roseanne", poucas horas depois de Roseanne fazer comentários ofensivos no Twitter.

"Há momentos em que você precisa tomar uma decisão muito rapidamente, o que significa ter que processar todas as implicações - sem o luxo do tempo", disse Iger. "O mercado estava reagindo muito rapidamente aos [tweets da Roseanne] e opiniões estavam sendo formadas. (...) Havia apenas um curso de ação, que era demiti-la", disse Iger.

Sara Blakely: Uma mentalidade positiva é tudo

A falta de confiança em si mesmo e pensamentos negativos podem atormentar qualquer um. Os empreendedores de sucesso sabem como colocar esses sentimentos em seus lugares, explicou Sara Blakely em sua master class sobre empreendedorismo 'self-made'.

"Uma boa parte desse jogo é sobre quanto você consegue administrar sua própria falta de confiança. Todos nós temos uma escolha sobre como reagir a tudo... Podemos escolher reagir de uma maneira que nos impulsiona para frente ou nos atrasa," disse Blakely.

As dúvidas que devem preocupá-lo se referem à qualidade do que você está vendendo. "O que você está criando, como está entregando, o que vai fazer para atender o cliente... quando isso fica nebuloso, aí é uma dúvida que você precisa prestar atenção", disse Blakely, que fundou sua empresa no seu apartamento em Atlanta em 1998, com apenas US$ 5.000.

Ela aprendeu o valor do fracasso com o pai, que costumava perguntar aos filhos no jantar no que haviam fracassado durante a semana. "Se eu não tivesse algo a dizer, ele ficaria de fato desapontado."
Quando ela tinha mesmo algo para compartilhar, ele fazia um high-five com ela.

"Na época, eu não fazia ideia, mas ele estava redefinindo completamente o conceito de fracasso para mim. Em vez de o fracasso se referir ao resultado, ele simplesmente se tornou o não tentar. E esse é realmente o único fracasso, o de não tentar", disse ela.

Howard Schultz não deixa que a concorrência guie suas decisões

Como proprietário de uma empresa, você deve conhecer seu mercado e estabelecer uma vantagem competitiva duradoura com seu produto ou serviço, mas nunca deixar a concorrência conduzir sua próxima jogada, disse o ex-CEO e presidente da Starbucks, Howard Schultz, em sua master class em liderança empresarial.

"Não quero que os concorrentes estejam na sala quando estivermos definindo nossa estratégia. [...] Precisamos estar no controle do nosso próprio destino e acreditar no que estamos fazendo", disse Schultz. "Não se trata de ser arrogante, apenas de estar preparado. É isso que pretendemos fazer, e vamos fazê-lo independentemente do que a concorrência faça."

Definir expectativas também é essencial. Tolerar o desempenho medíocre, mesmo de apenas algumas pessoas, pode diminuir o nível de exigência em relação ao seu negócio, disse Schultz.

"É um padrão para todos, e esse padrão deve ser a excelência. Você precisa definir uma linguagem comum sobre o que é mediocridade e o que é excelência. A mediocridade é para outras empresas, não para nós".