Governo suspende meta do resultado primário de 2020 por crise do coronavírus

Marca era de déficit de R$ 124,1 bilhões. Flexibilização vai evitar contingenciamento da ordem de R$ 40 bilhões

Do CNN Brasil Business*
18 de março de 2020 às 21:09 | Atualizado 18 de março de 2020 às 21:10
Flexibilização da meta de resultado primário foi anunciada por Guedes em coletiva e será viabilizada por estado de calamidade
Foto: Carolina Antunes/Planalto/Divulgação

Reconhecido o estado de calamidade pública, o governo irá suspender a meta de resultado primário para 2020, estimada em déficit de R$ 124,1 bilhões, para abrir espaço fiscal para medidas de enfrentamento ao coronavírus. A informação foi dada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, em entrevista coletiva realizada no Palácio do Planalto nesta quarta-feira (18).

O resultado primário é o balanço de todas as receitas e despesas do governo antes dos gastos com pagamentos de juros da dívida.

Na ocasião, Guedes esclareceu que, por conta dessa flexibilização, não será mais necessário contingenciar cerca de R$ 40 bilhões em recursos no orçamento da União.

"Calamidade pública foi melhor resposta técnica para evitar contingenciar, o que seria dramático" disse Guedes. "No momento em que a Saúde precisa de gastos adicionais, o contingenciamento não era razoável", completou.

O ministro da Economia voltou a falar que a crise provocada pelo novo coronavírus gera dificuldades para pessoas mais vulneráveis economicamente.

"Estamos precisando dar recursos para a sobrevivência de pessoas autônomas, que também são atingidas com isolamento social. Como disse Mandetta, se diminuir o ritmo de contágio, vai ter gente que vai ter problema de conseguir comida do outro lado. Se fica todo mundo na rua, aumenta o ritmo de contágio. É um equilíbrio difícil", disse Guedes.

*Com Estadão Conteúdo