Justiça do RJ intima ministro da Saúde a detalhar plano contra COVID-19


Da CNN, no Rio de Janeiro
22 de março de 2020 às 17:20
Homem espera ônibus na favela da Rocinha, no Rio de Janeiro

Com máscara de proteção, homem espera ônibus na favela da Rocinha, no Rio de Janeiro

Foto: Ricardo Moraes - 18.mar.2020/ Reuters
 

A Justiça Federal do Rio de Janeiro intimou “pessoalmente e com urgência” o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, a detalhar os planos da pasta contra a proliferação do coronavírus no estado fluminense. Outro a receber a intimação foi Edson Santos, secretário estadual de saúde. O prazo dado para a divulgação dos planos é de 72 horas – a decisão foi dada na sexta, mas foi publicada somente no sábado.

Entre os questionamentos pedidos pela juíza Carmen Silvia Lima de Arruda, da 15ª vara, estão a previsão de necessidade e contratação de pessoal temporário; a estimativa de compras de insumos necessários para o Hospital Federal de Bonsucesso; previsão de aquisição de equipamentos de proteção individual (EPI) para os profissionais de saúde; e a adoção de providências necessárias para atualização dos portais oficiais das secretárias e órgãos de saúde.

“A autora aduz que, diante do atual cenário de pandemia, os profissionais da área da saúde estão sem proteção e propensos a serem agentes infecciosos no atendimento da população no interior das Unidades Federais”, escreveu a juíza.

Porém, segundo a juíza, a despeito da gravidade que o surto vem atingindo rapidamente, não indícios suficientes de que os órgãos estejam agindo com negligência. “No entanto, deve-se reconhecer que, além do acesso às normas legais citadas e devidamente publicadas na imprensa oficial, não foram encontrados maiores detalhamentos acerca das providências concretas adotadas até o presente momento”, escreveu.