Demanda por voos domésticos cai 75% e naves decolam vazias, diz associação


Estadão Conteúdo
23 de março de 2020 às 16:32
Poucos passageiros na área de embarque e desembarque de Cumbica

Poucos passageiros na área de embarque e desembarque do Aeroporto Internacional de Guarulhos.

Foto: Roberto Casimiro/Fotoarena/Fotoarena/Est

A demanda por voos no Brasil continua despencando por causa do coronavírus, segundo dados da Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear). Nesta semana, as associadas da entidade registram queda de 75% na demanda por voos domésticos e corte de 95% no mercado internacional em relação a igual período de 2019.

"Nossa expectativa de fato é que é possível em uma série de destinos a redução chegar a 100% (na demanda). Vamos ter de tomar as atitudes necessárias para lidar com esse fato. E as empresas estão avaliando isso praticamente de hora em hora", afirmou o presidente da Abear, Eduardo Sanovicz, em entrevista ao Broadcast.

O volume de queda vem com a população cada vez mais preocupada com o novo vírus e se recolhendo em casa "Não há mais viagem por razão de turismo, eventos ou negócios. A esmagadora maioria das pessoas que está voando está retornando para casa ou são as equipes de saúde", afirmou.

Atualmente algumas aeronaves estão levantando voo com cerca de 20 passageiros ante uma capacidade média de 176 lugares. "Tive notícias de um colega que, recentemente, pegou um voo em que tinha 12 pessoas", afirmou. "Estão indo embora dezenas de milhões de reais do caixa todos os dias", afirmou.

Segundo Sanovicz, o setor agora negocia com os bancos públicos as linhas de crédito prometidas pelo governo. "Temos a expectativa de anuncio em breve sobre linha de crédito. As empresas individualmente já estão conversando com o BNDES. Não tenho notícia de que alguém já fechou o acordo, mas estão conversando", afirmou. O setor ainda aguarda um novo pacote com medidas de cunho de tributário.