Pedidos de auxílio-desemprego nos EUA batem recorde com demissões


Reuters
26 de março de 2020 às 17:45 | Atualizado 26 de março de 2020 às 18:12
Fila de desempregados EUA

 

Foto: Lucas Jackson/Reuters (19.mar.2020)

O número de norte-americanos que registram pedidos de auxílio-desemprego disparou para o recorde de mais de 3 milhões na semana passada, com medidas estritas para conter a pandemia de coronavírus interrompendo repentinamente a atividade nos Estados Unidos, desencadeando uma onda de dispensas que provavelmente acabou com o maior impulso no mercado de trabalho na história dos EUA.

Os pedidos iniciais de auxílio-desemprego subiram para 3,28 milhões na última semana, ante 282 mil revisados ??na semana anterior, apagando o recorde anterior de 695 mil estabelecido em 1982, disse o Departamento do Trabalho dos EUA nesta quinta-feira.

Economistas consultados pela Reuters previam que as reivindicações aumentariam para 1 milhão, mas as estimativas chegaram a até 4 milhões.

O efeito desse aumento chegou até a bolsa americano. Wall Street viveu um rali pela terceira sessão consecutiva nesta quinta-feira (26), os investidores avaliaram que os dados vieram abaixo dos seus piores temores. Desta maneira, o mercado fica concentrado em um estímulo sem precedentes de 2 trilhões de dólares que aguarda aprovação da Câmara dos Deputados dos EUA.

Confira a análise do editor de internacional, Marcelo Favalli: