Pacote de US$ 2 tri dos EUA não é resgate às cias aéreas, diz secretário


Reuters
27 de março de 2020 às 16:05
Steve Mnuchin

O secretário do Tesouro americano, Steve Mnuchin (22.maio.2019)

Foto: Mary F. Calvert/Reuters

Aprovado no Senado e em discussão na Câmara dos Estados Unidos (EUA), o pacote de estímulos econômicos contra o coronavírus, no valor de US$ 2 trilhões, não é um resgate para companhias aéreas, disse o secretário do Tesouro americano, Steve Mnuchin. Nesta sexta-feira (20), ele afirou ainda que os contribuintes precisarão ser compensados pelo alívio dado às empresas prejudicadas pela pandemia global.

Ao mesmo tempo, Mnuchin disse em entrevista à Fox Business que a fabricante de aviões Boeing não solicitou ajuda do governo. "Eu tenho sido muito claro de que este não é um resgate de companhias aéreas", disse Mnuchin. "E que os contribuintes precisam ser compensados pelo alívio que estão dando às companhias aéreas."

As empresas aéreas norte-americanas estão se preparando para acessar ajuda do governo de 25 bilhões de dólares em subsídios para cobrir a folha de pagamento em uma forte desaceleração de viagens provocada pelo coronavírus, mesmo depois que o governo alertou que poderá assumir riscos em troca de fundos de resgate, disseram pessoas familiarizadas com o assunto.

Mnuchin pode exigir ações, justificativas ou outros instrumentos financeiros para "fornecer uma compensação adequada ao governo federal". Uma porta-voz do Tesouro se recusou a comentar um relatório de que Mnuchin exigiria ações.

As companhias aéreas podem solicitar o equivalente à sua folha de pagamento entre 1º de abril e 30 de setembro do ano passado, o que significa que algumas grandes companhias aéreas podem receber 4 bilhões de dólares ou mais no total.

A Câmara dos Deputados planeja debater a legislação nesta sexta-feira e depois agendar uma votação. Mnuchin afirmou que a Boeing disse que não pretende participar do programa federal.

"A Boeing disse que não tem intenção de usar um programa que possa mudar no futuro", disse Mnuchin. "Essas são coisas que as empresas precisam vir e nos pedir... No momento, a Boeing está dizendo que não precisa disso."

Questionado se o grande projeto de estímulo pode ajudar a evitar uma recessão, Mnuchin disse à Fox Business: "A questão número 1 não é o que os números econômicos são atualmente, a questão número 1 é a dificuldade para o povo norte-americano que está perdendo seus empregos."