“Francamente não há acordo no governo sobre o tempo de isolamento”, diz Guedes

Ministro disse que o tempo necessário para contornar o aumento de casos é maior que o período que a economia aguenta. 

Raquel Landim
Por Raquel Landim, CNN  
28 de março de 2020 às 21:09 | Atualizado 28 de março de 2020 às 21:35
O ministro da Economia, Paulo Guedes, concede entrevista exclusiva à CNN Brasil
Foto: CNN Brasil - 15.mar.2020

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que “francamente não há acordo” entre sua pasta e a área da Saúde sobre o tempo necessário de isolamento das pessoas para combater o coronavírus.

Ele afirmou que, provavelmente, o tempo necessário para contornar o aumento de casos é maior que o período que a economia aguenta. 

Guedes não se arriscou a cravar prazos, mas disse que o Ministério da Saúde já estimou em três meses, enquanto pesquisas apontam dois meses para as empresas quebrarem.

“Provavelmente vai ser algo no meio do caminho e para começar a liberar precisa testar as pessoas”, disse Guedes em live realizada pela XP Investimentos.

O ministro pediu às empresas que testem seus funcionários e doem ao setor público os testes extras. 

Ele ressaltou que, se as medidas do governo forem implementadas e se for possível manter os bens essenciais transitando, é possível segurar o isolamento um pouco mais.

“Se liberar cedo demais é uma catástrofe na saúde, se liberar tarde demais é uma catástrofe na economia”, afirmou. “Não me arrisco se são necessários dois a três semanas (de isolamento) para a saúde ou dois a três meses, mas sei o tempo que a economia aguenta.”