PT quer que governo pague quem ganha até 3 salários mínimos em pequenas empresas

Outra proposta é a de abrir uma linha de crédito de R$ 300 bilhões com dinheiro do BNDES para empresas, proibindo demissões

Da CNN, em São Paulo
31 de março de 2020 às 17:51
Gleisi Hoffmann, presidente nacional do PT
Foto: Rovena Rosa - 9.out.2018/Agência Brasil

O Partido dos Trabalhadores (PT) propôs na segunda-feira (30) um pacote de medidas econômicas para minimizar os efeitos da pandemia do novo coronavírus no Brasil. Uma das ideias é fazer com que o governo federal arque com o pagamento de quem ganha até três salários mínimos nas micro e pequenas empresas.

Em entrevista à CNN, a presidente do partido, Gleisi Hoffmann, disse que o PT quer iniciar a discussão sobre os salários ainda hoje (31) na Câmara dos Deputados. Para as médias e grandes empresas, o pagamento seria de até 75% desse valor. 

Segundo ela, isso vai garantir que as companhias mantenham seus empregos e que seus funcionários continuem recebendo salário. 

Outra proposta é a de abrir uma linha de crédito de R$ 300 bilhões com dinheiro do BNDES para empresas, proibindo demissões. Questionada sobre se a medida é viável, Gleise explicou que estão trabalhando com duas fontes.

“Uma é do BNDES, que já tem R$ 100 bilhões. Eles devolveriam para a União e nós estamos propondo que não devolvam. E uma outra linha de R$ 200 bilhões que o Banco Central (BC) vai oferecer ao sistema financeiro, com garantia do Tesouro Nacional”, disse. 

Esse tipo de ajuda que estão propondo, segundo ela, é o que outros países já estão fazendo. 

“A Inglaterra, por exemplo, está bancando 80% do salário de todos os empregados da iniciativa privada. A Alemanha tem feito uma operação de crédito imensa, assim como a Espanha, El Salvador. Ou seja, os governos estão tomando atitudes para proteger as pessoas e não deixar a economia cair."

Para Gleisi, se essa ajuda de custo não for feita agora, as coisas vão ser piores no futuro. “Nós não temos alternativas. O Estado está aí e precisa ser utilizado".

A presidente do PT analisou o momento pelo qual estamos vivenciando como "uma guerra contra um vírus que nós não temos a dimensão do impacto que vai ter na vida das pessoas, mas vai ser grande".