Ibovespa sobe 1,5% no dia e tem segunda semana seguida de alta

Resultados positivos de um novo medicamento para o coronavírus e intenção de reabertura da economia americana animou os mercados

Do CNN Business*, em São Paulo
17 de abril de 2020 às 10:23 | Atualizado 17 de abril de 2020 às 17:40
Após queda na véspera, bolsa brasileira abre em alta nesta sexta (17)
Foto: Paulo Whitaker/Reuters

O Ibovespa, principal índice da bolsa de valores brasileira, fechou em alta de 1,51%, a 78.990,29 pontos, nesta sexta-feira (17). Na semana, o índice acumulou ganho de 1,68%, na segunda semana seguida de avanço.

A bolsa brasileira acompanhou o tom positivo desta sexta-feira nos mercados internacionais. Bolsas das principais praças fecharam em alta em meio às notícias de possível alívio nas medidas de confinamento, conforme números de mortos e doentes pelo COVID-19 começam a estabilizar em alguns países.

O presidente dos EUA, Donald Trump, apresentou na véspera planos para reabrir a economia após bloqueios para conter a disseminação do Covid-19, que já matou mais de 32,6 mil norte-americanos.

Investidores também repercutiram notícia publicada na véspera detalhando dados encorajadores sobre um medicamento para potencialmente tratar o Covid-19.

Ainda na cena externa, o PIB chinês recuou 6,8% entre janeiro e março na comparação com o ano anterior, mostraram dados oficiais nesta sexta-feira, contra expectativa de analistas de queda de 6,5%. Foi a primeira contração da segunda maior economia em 40 anos.

Os números mostraram, entretanto, uma queda muito menor do que a esperada na produção industrial de março - recuou 1,1% na comparação com o ano anterior, contra expectativa de contração de 7,3%.

Internamente, o mercado seguiu atento aos desdobramento após substituição do ministro da Saúde, anunciada na tarde de ontem. A demissão de Luiz Henrique Mandetta pelo presidente Jair Bolsonaro e a nomeação do oncologista Nelson Teich para o comando da pasta, pode mudar a estratégia de enfrentamento à pandemia de coronavírus no país.

*Com informações da Reuters