Navios, trens e cavernas: operadores procuram locais para armazenar petróleo

Informações de traders e dados de agências marítimas apontam que capacidade de estocagem está no limite

Da CNN, em São Paulo
22 de abril de 2020 às 22:50
Operadores do mercado de petróleo buscam alternativas para armazenar combustível
Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

Operadores do mercado de petróleo estão lutando para encontrar navios, vagões de trens, cavernas e oleodutos suficientes para armazenar combustível, uma vez que as instalações convencionais de estocagem foram rapidamente preenchidas em meio à oferta abundante e à queda na demanda devido ao coronavírus.

Dezenas de navios-tanque foram utilizados nos últimos dias para armazenar pelo menos 30 milhões de barris de combustível de aviação, gasolina e diesel no mar, atuando como estoques flutuantes, à medida que tanques em terra firme já estão cheios ou reservados, de acordo com traders e dados de agências marítimas.

O volume se junta aos 130 milhões de barris de petróleo bruto já armazenados de maneira flutuante, acrescentaram fontes dos setores.

Leia também:

Preço do petróleo negativo: o que significa e quais os impactos
 

É difícil avaliar toda a capacidade de estocagem de petróleo do mundo, mas sinais de que o limite está sendo atingido são cada vez mais óbvios. O aumento do armazenamento marítimo é um indicador, já que ele é mais caro do que a estocagem "onshore" e pode ser tecnicamente complexo.

Em terra, o armazenamento nos Estados Unidos está sendo preenchido rapidamente, com estoques figurando em 518,6 milhões de barris neste momento, próximos a uma máxima histórica. O centro de distribuição de Cushing, em Oklahoma, estará efetivamente cheio até maio, segundo operadores.

Dessa forma, produtores, refinarias e traders estão adotando táticas mais incomuns, como a estocagem de petróleo e combustíveis em vagões de trens no nordeste dos EUA e em oleodutos fora de utilização.

Na Europa, o centro de armazenamento e refino do noroeste do continente ainda possui espaço a ser preenchido, mas especialistas da indústria indicam que a maior parte da capacidade restante já foi reservada.

Cavernas de sal na Suécia e em outros países escandinavos também estão lotadas, ou totalmente reservadas.

"Estamos trabalhando com os locais de armazenamento mais estranhos, localidades bastante difíceis, onde há restrições operacionais", disse Krien van Beek, corretor da ODIN - RVB Tank Storage Solutions em Roterdã, na Holanda.

Com Reuters