Dólar fecha em alta nesta quinta, mas cai 4% na semana com trégua na política

Sessão foi marcada por formação da Ptax de fim de mês, taxa que serve de referência para contratos, o que pressiona a cotação

Do CNN Brasil Business, em São Paulo*
30 de abril de 2020 às 09:22 | Atualizado 30 de abril de 2020 às 18:07
Dólar sobe após registrar quedas sucessivas durante a semana
Foto: Alexander Schimmeck/Unsplash

O dólar voltou a fechar em alta nesta quinta-feira (30), alavancado pelo exterior, mas encerrou a semana em queda de mais de 4%. O período foi marcado por alívio nos temores quanto à permanência de Paulo Guedes no governo e pelo reforço nas intervenções cambiais do Banco Central.

A moeda norte-americana terminou o dia com ganho de 1,55%, a R$ 5,4380 na venda.

Na semana, a cotação caiu 4,06%, mas encerrou abril com valorização de 4,69%. No acumulado do ano, o dólar dispara 35,51%.

"Foi um dia ativo, de briga (pela formação) da Ptax", disse à Reuters Jefferson Laatus, sócio fundador do grupo Laatus, sobre os movimentos desta quinta-feira. A Ptax de fim de mês serve de referência para a liquidação de contratos futuros e outros derivativos.

A "briga" entre comprados e vendidos em dólar por uma taxa mais conveniente a suas operações costuma adicionar volatilidade aos negócios.

Além disso, "é véspera de feriado, e ninguém vai querer ficar muito posicionado", acrescentou Laatus, citando também ajustes após quedas fortes da moeda norte-americana.

Na véspera, o dólar caiu 2,94%, a R$ 5,3552 na venda, na maior perda diária desde 8 de junho de 2018.

Ao mesmo tempo, completou Laatus, "as declarações de Bolsonaro desta manhã também surtiram efeito na economia como um todo".

Em mais um desdobramento tenso na política brasileira, o presidente Jair Bolsonaro classificou nesta quinta-feira como "política" a decisão liminar concedida pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), que suspendeu a nomeação de Alexandre Ramagem para a direção-geral da Polícia Federal, e disse que a medida quase causou uma crise institucional.

O presidente também rebateu o argumento de que a indicação violava o princípio da impessoalidade ao dizer que Moraes só chegou à corte graças à amizade com o ex-presidente Michel Temer, que o indicou ao STF.

Recentemente, o clima político amargo -- com a saída de Sergio Moro do cargo de ministro da Justiça, embates entre Executivo, Legislativo e Judiciário e a possibilidade de impeachment de Bolsonaro -- tem prejudicado o desempenho da moeda brasileira. Esse cenário, combinado a um contexto de juros baixos, pressiona a cotação do dólar para cima.

O Banco Central ofertou nesta quinta-feira até 10 mil contratos de swap cambial tradicional para rolagem do vencimento setembro de 2020 e janeiro de 2021.

*Com Reuters