No 1º mês de quarentena, movimento no comércio cai 20% no Brasil, diz Boa Vista

Queda reflete efeitos das medidas de isolamento social e restrições impostas ao comércio com a chegada da pandemia do novo coronavírus

Estadão Conteúdo
30 de abril de 2020 às 13:06 | Atualizado 30 de abril de 2020 às 13:14

Recuo no movimento do varejo no 1º mês de quarentena indica desaceleração à frente, segundo Boa Vista

Foto: Ricardo Moraes/Reuters (24.mar.2020)

O movimento do comércio no país caiu 20,1% no primeiro mês de restrição, entre os dias 17 de março e 15 de abril, em relação aos 30 dias anteriores (16 de fevereiro a 16 de março). É o que mostra levantamento especial da Boa Vista para avaliar os 30 dias dos impactos da quarentena imposta para combater o novo coronavírus.

A última pesquisa já havia apresentado queda no índice, de 5,1% no terceiro mês deste ano no confronto com fevereiro, com ajuste sazonal.

O resultado está em linha com as expectativas de mercado, que já sugere queda de 3,3% na atividade econômica em 2020.

"Os dados refletem os efeitos das medidas de isolamento social e restrições impostas ao comércio com a chegada da pandemia do novo coronavírus e indicam uma desaceleração do setor nos próximos meses", diz a nota.

O segmento de Móveis e Eletrodomésticos foi o mais afetado pelas quarentena, ao registrar declínio de 56,2% no período analisado. Em março, já tinha mostrado recuo de 13,5% em março.

Em contrapartida, a atividade de Supermercados, Alimentos e Bebidas foi a única a evitar perdas significativas, registrando retração de 0,5%.

A segunda categoria a mostrar maior variação negativa foi a de Combustíveis e Lubrificantes (-9,9%), após declínio de 6,7%.

O segmento de Tecidos, Vestuários e Calçados teve queda de 7,8% no período analisado da quarentena, depois de ter cedido 1,1% na pesquisa passada.