CNI defende entrada forte do Estado na economia contra crise

Renato da Fonseca, gerente-executivo de pesquisa e competitividade da Confederação Nacional da Indústria (CNI), falou sobre cenários de projeções para 2020

Da CNN, em São Paulo
11 de maio de 2020 às 13:01

O gerente-executivo de pesquisa e competitividade da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Renato da Fonseca, afirmou à CNN, nesta segunda-feira (11), que o equilíbrio fiscal segue importante, mas que o estado deverá entrar mais forte na economia para ajudar na recuperação pós-pandemia da Covid-19. 

"Continua sendo importante buscar o equilíbrio fiscal, só que para a gente sair dessa crise - com empresas e famílias ainda debilitadas - vai ser necessário que o estado entre um pouco mais forte, que escolha bem onde vai interferir e com quais ferramentas", avaliou ele. "A grande questão na retomada é que vamos precisar de um motor para ajudar a puxar dessa crise", acrescentou.

Leia também:

Focus: mercado passa estimar retração de 4,11% para o PIB em 2020

Juros a 3%: ainda é possível ganhar dinheiro com a renda fixa?

Para Fonseca, contudo, é importante que as medidas emergenciais sejam de curto-prazo e temporárias. "Felizmente não teremos uma manutenção desses gastos nos próximos anos", disse. 

O gerente-executivo da CNI ainda ressaltou que "a crise não tem precedentes". "Ela é muito forte e paralisa toda a economia, que está sentindo isso como um todo", comentou. 

Em relação às projeções da CNI para este ano, Fonseca avaliou que pretendem "trabalhar entre cenários base e pessimista" - veja na imagem abaixo. "A gente acredita que o cenário de base é possível se a gente começar a reduzir algumas medidas de isolamento social ainda até o fim de maio e considerando que o governo teve medidas importantes na tentativa de manter empresas vivas", explicou.

Projeções da CNI para 2020
Foto: CNN (11.mai.2020)