Prorrogação de auxílio emergencial é assunto para Guedes, diz Bolsonaro

Presidente falou sobre a possibilidade de ampliar a ajuda de R$ 600 por conta do coronavírus

Da CNN, em São Paulo
12 de maio de 2020 às 21:11
O presidente Jair Bolsonaro acompanhado do ministro da Economia, Paulo Guedes, em Brasília
Foto: Adriano Machado - 7.mai.2020/Reuters
 
O presidente Jair Bolsonaro disse nesta terça-feira (12) que a possibilidade da prorrogação do pagamento do auxílio emergencial de R$ 600 durante a pandemia de Covid-19 é assunto para o Ministério da Economia. 

"Quem fala sobre Economia é o Paulo Guedes. Cada R$ 600 (a mais) significam R$ 30 bilhões (de gastos)", disse Bolsonaro a jornalistas no momento em que ele esteve na rampa do Palácio do Planalto.

Ele evitou comentar sobre quando irá sancionar o pacote de socorro a Estados e municípios aprovado no Congresso e se irá vetar ou não a permissão para reajuste salarial a várias categorias de funcionários públicos que teriam salários congelados até o final de 2021. 

A suspensão dos reajustes seria a contrapartida de governos para receberem os recursos, um total de R$ 60 bilhões do Tesouro, além da suspensão da dívida. Durante a tramitação da proposta no Congresso, no entanto, alguns setores foram excluídos do congelamento de salários.

Indagado sobre como avaliava o fato de o ministro da Saúde, Nelson Teich, ter sido informado pela imprensa da edição do decreto presidencial para que mais áreas - como salões de beleza barbeiros e academias - fossem consideradas essenciais e autorizadas a funcionar durante a pandemia, Bolsonaro respondeu apenas que essa "ampliação é competência minha e do Executivo".

O presidente reafirmou que Estados e municípios que não quiserem cumprir a medida deverão buscar suporte na justiça ou no Congresso, por meio de um projeto.

Com Estadão Conteúdo