Fed alerta para vulnerabilidades financeiras 'significativas' devido à Covid-19

No último relatório sobre estabilidade financeira, divulgado nesta sexta-feira, banco central dos EUA disse que a pandemia impôs 'riscos amplos' para a economia

Do CNN Brasil Business*, em São Paulo
15 de maio de 2020 às 18:57

Edifício do Federal Reserve em Washington, Estados Unidos (19.mar.2019)

Foto: Leah Mills/Reuters

O Federal Reserve (Fed, banco central dos Estados Unidos) alertou que o setor financeiro enfrenta vulnerabilidades "significativas" em razão da pandemia do coronavírus, já que empresas e famílias precisam lidar com finanças frágeis no futuro próximo.

Em seu último relatório sobre estabilidade financeira, divulgado nesta sexta-feira (15), o Fed disse que a pandemia global impôs riscos amplos. Embora as ações do Fed e de outros países tenham ajudado a fortalecer a economia e o sistema bancário tenha resistido ao golpe inicial, o relatório alertou para grandes riscos caso a pandemia se mostre prolongada ou mais severa do que o previsto.

"O surto do COVID-19 apresenta sérios riscos para empresas de todos os tamanhos e milhões de famílias", afirmou o banco central ao analisar uma lista de problemas que podem surgir, dependendo de quanto tempo o vírus persista e mantenha a economia cambaleada.

É a mais recente sinalização do Fed de que a recuperação da crise ao Covid-19 será árdua. Desde o início da retração, as autoridades do Fed têm notado, com algum alívio, que o sistema financeiro não era a fonte do problema atual e que, com alguma ajuda do banco central, tinha continuado a funcionar.

O relatório desta sexta-feira observou as tensões financeiras, que poderiam aumentar se a crise persistir e se famílias e empresas continuarem privadas de salários e receitas.

Em resumo, ninguém --desde hedge funds a grandes bancos e famílias-- estaria imune ao risco de inadimplência, de ser talvez forçado a vender ativos, acabar em falência ou ver o valor dos ativos depreciar.

Clique aqui e siga o perfil do CNN Brasil Business no Facebook 

*Com informações da Reuters