Em meio à pandemia, agricultores terão renda recorde

Renda agrícola deve chegar ao recorde de R$ 595 bilhões em 2020, uma alta de 19% em relação ao ano anterior, conforme projeção da consultoria MB Agro

Raquel Landim
Por Raquel Landim, CNN  
18 de maio de 2020 às 18:56 | Atualizado 18 de maio de 2020 às 19:40

Em meio à pandemia do novo coronavírus e à forte recessão, um setor está comemorando bons resultados: a agricultura. A renda agrícola deve chegar ao recorde de R$ 595 bilhões em 2020, uma alta de 19% em relação ao ano anterior, conforme projeção da consultoria MB Agro.

Os agricultores brasileiros estão sendo favorecidos pela resiliência da demanda por alimentos e pela valorização expressiva do dólar. Boa parte das produtos agrícolas são exportados ou tem seus preços atrelados à moeda americana. 

As cotações das commodities agrícolas em reais explodiram desde o começo do ano. A alta foi de 23% na soja, 38% no milho, 35% no café e 27% no arroz. Também subiram os preços das carnes - 9% no frango, 25% no suíno e 29% no boi.

As exceções ficam por conta do algodão e do etanol, setores bastante afetados pela pandemia, por causa do fechamento das lojas de vestuário e da redução do consumo de combustíveis. O preço do algodão em reais caiu 4,8% desde o início do ano, enquanto o etanol subiu apenas 2,9%. 

Leia também:
'Não temos notícia de falta de alimentos', diz ministra da Agricultura
Fechamento de plantas pela Justiça ocasionará desabastecimento, diz CEO da BRF

"A agricultura é o único setor da economia brasileira que deve ter desempenho positivo neste ano, amenizando um pouco a forte crise provocada pandemia do novo coronavírus", diz Sérgio Vale, economista-chefe da MB Associados. 

A consultoria projeta alta de 1,5% do PIB agrícola neste ano, enquanto o PIB do país cairia 7,8%. Na média, os economistas ouvidos pelo boletim Focus estimam queda de 5,1% no PIB. Para o ministério da Economia, o tombo na atividade econômica será de 4,7% - a maior da história do país.

Clique aqui e siga o perfil do CNN Brasil Business no Facebook