A economia deve retomar assim que a medicina permitir, diz Marcos Lisboa

Para o economista, o governo federal deveria ter assumido a dianteira na condução da crise e aproveitado o momento para regularizar a situação dos estados

Da CNN, em São Paulo
20 de maio de 2020 às 00:01

Com a crise causada pelo novo coronavírus, economistas debatem sobre o que deve ser feito para superar o momento e retomar o crescimento. Porém, para o economista Marcos Lisboa, presidente do Insper e ex-secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, a retomada deve acontecer sob aval da medicina.

“A economia tem que voltar à medida que a medicina autorizar, mas ela não vai voltar como era antes. O diagnóstico de que é uma crise temporária estava errado e a dificuldade de lidar com a medicina está dificultando a retomada. O Brasil é um caso de fracasso na pandemia.”

O economista ainda citou que o governo federal deveria ter assumido a dianteira na condução da crise e aproveitado o momento para regularizar a situação dos estados. Porém em sua leitura, o que se viu foi apenas um aprofundamento dos problemas.

Leia também

'É impossível pagar milhões de pessoas em um dia', diz presidente da Caixa

Petrobras deve ter notícias sobre novas vendas de ativos em breve, diz CEO

Economia brasileira deve encolher 7% ou mais em 2020, diz Henrique Meirelles

“O governo deveria ter liderado essa discussão oferecendo auxílio aos estados em contrapartida de ajuste dos gastos das federações. O que temos agora é uma folha ainda mais inchada e desequilibrada.”

Ele ainda questionou o desenho das políticas públicas para ajudar a mitigar os efeitos da crise, especialmente o auxílio emergencial, cujo objetivo de ajudar informais foi extrapolado para um contingente muito maior da população. “O programa que era para auxiliar autônomos já está ajudando 50 milhões de pessoas. E como está o crédito para pequena empresa?”

Segundo Lisboa, a desorganização no combate a pandemia “fragilizam ainda mais a confiança de que o país tem instituições funcionando,” e que o resultado de um poder executivo que não consegue se organizar é o “protagonismo do judiciário e legislativo para tentar dar um caminho a sociedade.”