Marinho: Brasil deveria seguir exemplo da unificação da Alemanha no pós-pandemia


Da CNN, em São Paulo
22 de maio de 2020 às 18:57
Rogério Marinho

Ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, na reunião ministerial em 22 de abril.

Foto: Marcos Corrêa/PR

O ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, defendeu que o governo federal investisse em capital humano e infraestrutura no período pós-pandemia, mesmo que isso causasse um endividamento.

Ao se dirigir ao presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), durante a reunião ministerial de 22 de abril, o ministro usou a unificação da Alemanha como exemplo. "Senhor presidente, é bom lembrar que quando houve a unificação da Alemanha, eu acho que esse é um fato histórico irrefutável, o Estado alemão entendeu e fez um pacto de que de haveria necessidade de investir em capital humano e infraestrutura na Alemanha Oriental para diminuir desigualdades regionais".

Assista e leia também:

Assista ao vídeo da reunião ministerial com Bolsonaro

Ninguém está acima da lei, diz Celso de Mello ao tirar sigilo de vídeo

Ministro do Meio Ambiente sugere 'passar boiada' enquanto o foco é coronavírus

Weintraub sugere mandar prender ministros do STF em vídeo de reunião ministerial

Na reunião, o ministro disse que, se colocasse "na ponta do lápis", o auxílio às empresas e às pessoas físicas poderia chegar a R$ 600 bilhões de reais. "[São] recursos do governo federal. Fruto de endividamento do governo, que vai terminar o ano com déficits quatro, cinco, seis vezes maior do que estava precificado no início do ano. Caiu um meteoro sobre as nossas cabeças", declarou. 

O ministro defendeu as ações que atendessem a população e, que se fosse necessário investir este valor, era o melhor caminho a ser seguido . "Todos [nós] reconhecemos que é necessário darmos segurança à população, no caso alimentar, para evitarmos o caos, para diminuirmos a mortandade das empresas", afirmou na época. 

Além disso, Marinho disse que não era possível comparar o cenário atual, com a pandemia do novo coronavírus, com acontecimentos dos últimos cem anos. Neste contexto, ele pediu cautela para que as ações não fossem tomadas a partir de verdades absolutas, devido às incertezas da emergente crise mundial. "Os governos de todo o mundo estão se debruçando sobre o assunto, entendendo que muda o papel do Estado", disse. 

"Essa pode ser uma catástrofe, que vai nos afundar, ou pode ser uma onda pra gente surfar, uma alavanca para recuperar o país. Todos os países do mundo estão submetidos ao mesmo processo", declarou. Para ele, o resultado das ações dependeria da capacidade do governo em tomar decisões claras para enfrentar a crise da pandemia.