Secretário da Economia, Marcos Troyjo é eleito presidente do banco do Brics

Formado pela USP, brasileiro foi eleito para comandar o NDB por unanimidade em reunião realizada nesta quarta (27)

Reuters
27 de maio de 2020 às 11:32
Secretário da Economia e novo presidente do NDB, Marcos Troyjo
Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Em reunião do Conselho de Governadores do Brics, realizada nesta quarta-feira (27), o atual secretário especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais do Ministério da Economia, Marcos Troyjo, foi eleito por unanimidade presidente do Novo Banco de Desenvolvimento (NDB), o banco do bloco. 

Ele responderá pelo cargo pelos próximos cinco anos, com mandato sendo iniciado em julho. Troyjo assumirá o lugar do indiano Kundapur Vaman Kamath, primeiro a comandar o NDB. A indicação já havia sido antecipada em abril, mas a nomeação efetiva dependia da deliberação do Conselho.

Troyjo foi cofundador e diretor do BRICLab, centro de estudos sobre Brics na Universidade Columbia, nos Estados Unidos. Economista, cientista político e diplomata, ele representa o Brasil em organizações econômicas multilaterais, como o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Comitê de Desenvolvimento do Banco Mundial.

Além do Brasil, o NDB tem como países-membros Rússia, Índia, China e África do Sul. O banco conta com capital inicial de US$ 50 bilhões e capital autorizado de US$ 100 bilhões e tem como principal objetivo apoiar projetos de infraestrutura e desenvolvimento sustentável, públicos ou privados, nos países do Brics e em outras economias emergentes.

Nesta semana, inclusive, o governo aprovou pleito na Cofiex (Comissão de Financiamentos Externos) para pedir financiamento de US$  4 bilhões junto a organismos internacionais para cobertura de despesas relacionadas à crise com o coronavírus, sendo US$  1 bilhão do NDB.

A ideia é que os recursos sejam empregados na ampliação do Bolsa Família e pagamento do auxílio emergencial, do seguro-desemprego e do benefício direcionado aos que têm os contratos de trabalho suspensos ou jornadas reduzidas.

No Ministério da Economia, o economista Roberto Fendt assumirá a secretaria especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais, disse à Reuters o ministro Paulo Guedes.

Graduado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e com mestrado e doutorado pela Universidade de Chicago, nos EUA, Fendt trabalha hoje como secretário-executivo do Conselho Empresarial Brasil-China.