Situação das aéreas só voltará ao normal em 2025, diz consultor

Latam pediu recuperação judicial nos Estados Unidos nesta terça-feira (26)

Da CNN, em São Paulo
26 de maio de 2020 às 23:19 | Atualizado 27 de maio de 2020 às 15:15
 
Em entrevista à CNN nesta terça-feira (26), o empresário e consultor André Castellini, da Bain & Company, disse acreditar que a situação das empresas aéreas no Brasil só deve voltar ao que era antes da crise do novo coronavírus em 2025. 

Em nota divulgada hoje, a companhia aérea Latam informou que a empresa e suas afiliadas no Chile, Peru, Colômbia, Equador e Estados Unidos entraram com um pedido de proteção contra falência (recuperação judicial) nos Estados Unidos. A dívida chega a quase US$ 18 bilhões e os ativos somam US$ 21 bilhões, conforme o processo protocolado pela empresa numa corte em Nova York.

Questionado se o pedido da companhia na Justiça americana foi uma boa estratégia, Castellini disse que sim e explicou que desta maneira a Latam terá condições de negociar suas dívidas de uma maneira mais organizada.

       Leia também

      Negociações do pacote de socorro do BNDES para a Latam estão lentas

      Ações da Latam caem mais de 50% após pedido de recuperação judicial

As operações no Brasil não foram incluídas no processo de recuperação judicial. Um dos motivos, de acordo com o empresário, é por conta da perspectiva de conseguir ajuda do BNDES.

Sobre uma possível estatização das aéreas no país, Castellini disse que isso não pode ocorrer, pois “o Estado se mostrou um péssimo dono de companhias aéreas” e que onde as companhias são do Estado, não há inovação, e sim tarifas altas.