Lisa Su, da AMD, foi a CEO mais bem paga entre as empresas do S&P 500 em 2019


Clare Duffy, do CNN Business
06 de junho de 2020 às 05:21
Executiva Lisa Su, da AMD

Lisa Su, da ADM: executiva foi a CEO mais bem paga entre as empresas listadas no S&P 500

Foto: Drew Anthony Smith/CNN

A taiwanesa-americana Lisa Su, da empresa de tecnologia AMD, foi a CEO mais bem paga entre as empresas no S&P 500 no ano passado.

Ela é a primeira mulher a liderar a edição anual, compilada desde 2011 pela Associated Press e pela empresa de análise de remuneração Equilar.

Su ganhou um total de US$ 58,5 milhões em 2019 – quase 13 milhões de dólares a mais que o segundo CEO mais bem pago, David Zaslav, da Discovery Inc (DISCB), que faturou US$ 45,8 milhões. Divulgado na semana passada, o levantamento examinou a remuneração dos CEOs das empresas S&P 500 (SPX) que estavam em suas funções há pelo menos dois anos no final de 2019.

Como o estudo analisou os pacotes de remuneração ao longo de 2019, os resultados não refletem os impactos da pandemia de coronavírus, que levou muitos executivos a renunciarem a parte ou toda os seus ganhos.

Leia também:
CEO da Disney: 'fizemos o possível para reabrir parques com responsabilidade'
S&P 500 supera 3 mil pontos puxado por otimismo com economia e vacina

O pacote de salários e benefícios de Su aumentou bastante em relação ao ano anterior – ela faturou US$ 13,4 milhões em 2018 –, graças em grande parte a um prêmio único de ações com base no desempenho. Em 2019, ela ganhou US$ 1 milhão em salário-base e um bônus de desempenho de US$ 1,2 milhão.

Ao assumir o comando da AMD em 2014, Su transformou um negócio à beira da ruína financeira em um formidável concorrente da Intel. A empresa de semicondutores está agora criando a tecnologia para alimentar computadores de computação em nuvem e jogos. Somente em 2019, as ações da AMD cresceram 156%.

As apostas ousadas de Su ajudaram a transformar a empresa. Seu sucesso é algo que acontece "uma vez em uma geração", disse Hans Mosesmann, diretor-gerente da Rosenblatt Securities, em entrevista no final do ano passado.

A executiva é uma das poucas mulheres que lideram grandes empresas de tecnologia e uma entre 20 mulheres que fizeram parte da lista Equilar, que contou com um total de 329 executivos. Entre as outras profissionais na lista estão Marillyn Hewson, da Lockheed Martin (LMT); Mary Barra, da General Motors (GM) e a ex- CEO da IBM (IBM) Ginni Rometty, que renunciou em abril.

O estudo mostrou que a remuneração média para as mulheres executivas era de US$ 13,9 milhões, em comparação com os US$ 12,3 milhões para os executivos do sexo masculino, embora houvesse muito menos mulheres do que homens na lista.

De maneira mais ampla, o estudo constatou que a remuneração média de todos os executivos pesquisados alcançou US$ 12,3 milhões, um aumento de 4,1% em relação a 2018, embora a taxa de crescimento tenha sido mais lenta que nos dois anos anteriores.

Clique aqui e siga a página do CNN Brasil Business no Facebook