Alberto Fernández anuncia projeto para estatizar exportadora de soja Vicentin


Carolina Figueiredo*, da CNN Brasil, em São Paulo
08 de junho de 2020 às 20:03 | Atualizado 08 de junho de 2020 às 20:04
Argentina continuará em quarentena contra coronavírus até o fim de abril

Presidente argentino, Alberto Fernández, apresentará projeto para resgatar gigante exportadora de soja Vicentin 

Foto: Gonzalo Fuentes - 05.fev.2020/ Reuters

O presidente da Argentina, Alberto Fernández, anunciou nesta segunda (08) que enviará ao Congresso uma proposta para estatizar a exportadora de soja Vicentin. A ideia é conseguir uma declaração de utilidade pública para expropriar e resgatar a empresa, cujo principal credor é o Banco de la Nación, banco público argentino.

Fernández considera a medida estratégica e frisou que o fato de o Estado possuir uma empresa no setor "favorece a Argentina a alcançar a soberania alimentar". A Argentina é a maior exportadora de farelo de soja do mundo e a Vicentin uma das principais empresas fabricantes do produto no país vizinho.

"Queremos que a empresa continue operando, que os trabalhadores mantenham seus empregos e que pequenos produtores continuem vendendo o que produzem", disse o presidente.

Fernández afirmou que o objetivo é "resgatar a empresa em favor da economia argentina e uma parte da economia de particular relevância, que é o mercado de grãos e cereais."

O projeto visa declarar a Vicentin como de utilidade pública para que ela fique sujeita a desapropriação. Após a estatização, o governo espera integra-lá a um fundo fiduciário que será gerenciado pela YPF Agro, num modelo de gestão mista. A YPF Agro é uma empresa da companhia nacional de petróleo que comercializa sementes, produtos para proteção e nutrição das culturas, além de sacos de silo e lubrificantes.

Perfil da empresa 

Líder em produção de alimentos, a Vicentin entrou para lista dos credores depois de anunciar que não pagaria mais sua dívida no final de 2019, como resultado de um processo de esvaziamento. O Banco de la Nácion concentra 80% da dívida financeira da empresa.

A Vicentin deu calote ("default") em empréstimos bancários e fornecedores no início deste ano, antes mesmo de a terceira maior economia da América Latina começar a sofrer os efeitos da pandemia de coronavírus.

Fundada em 1929, a companhia chegou a ser a maior exportadora de soja processada da Argentina, além de carregar uma marca icônica no mercado doméstico de alimentos.

A companhia possui uma joint venture com a Glencore chamada Renova, que é proprietária de uma grande unidade de processamento de soja na província de Santa Fe. A Renova permaneceu operacional durante o tumulto dos últimos meses. Fernández disse que não consultou a Glencore antes de decidir intervir na Vicentin.

*Com Reuters 

Clique aqui e siga a página do CNN Brasil Business no Facebook