Maior bilionário japonês diz que imagem dos EUA passa por desconstrução

Crise das relações raciais está mudando a forma como o mundo vê a maior economia do mundo, diz Tadashi Yanai, CEO da Fast Retailing, dona da Uniqlo

Michelle Toh e Kaori Enjoji, do CNN Business, em Hong Kong e Tókio
12 de junho de 2020 às 17:33
Tadashi Yanai, CEO da Fast Retailing, em entrevista exclusiva ao CNN Business.
Foto: Reprodução/CNN Business

A crise das relações raciais está mudando a forma como o mundo vê os Estados Unidos, de acordo com o homem mais rico do Japão. "A própria imagem dos EUA está sendo desfeita", disse Tadashi Yanai, CEO da Fast Retailing, proprietária da Uniqlo, em entrevista exclusiva ao CNN Business.

"Eu realmente espero que isso tenha um impacto positivo no longo prazo, assim como teve o Movimento dos Direitos Civis", acrescenta. 

Yanai, 71, é o maior bilionário do Japão e uma das pessoas mais ricas do mundo. Como maior acionista da Fast Retailing, a maior empresa varejista de vestuario da Ásia, seu patrimônio líquido estimado é de cerca de US$ 31,3 bilhões, de acordo com a Bloomberg.

Nas últimas semanas, as operações da empresa em cidades dos EUA, como Nova York, Filadélfia, São Francisco e Los Angeles, foram " fortemente atingidas", com o surgimento de protestos em todo o país pela morte de George Floyd, disse Yanai.

Leia mais: 
SoftBank anuncia fundo de US$ 100 mi para investimento em empreendedores negros
Japão: 'robô trabalhador' entra na luta contra a Covid-19 ao substituir pessoas
Pela primeira vez em 3 meses, Japão não registra mortes por Covid-19 em 24 horas

"Isso mostra bem como o espírito dos EUA está devastado. A situação política é insustentável. Não está funcionando", acrescentou. "É preciso haver um desejo maior de tomar ações cívicas positivas quando há problemas sociais. Está errado continuar ignorando-os como alguns estão fazendo agora."

Como muitas outras empresas, a Fast Retailing também está usando a crise atual, bem como a pandemia de coronavírus, como "um catalisador de mudança", afirmou o CEO.

"O que é essencial? O que não é essencial? Por que operamos um negócio? Estamos fazendo essas perguntas fundamentais", observou. "Como empresa, estamos nos perguntando por que existimos."

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook