Após pregão volátil, Ibovespa fecha em alta de 0,5%, acima dos 96 mil pontos

Na semana, o índice acumulou alta de 4,07%

Do CNN Brasil Business, em São Paulo
19 de junho de 2020 às 10:12 | Atualizado 19 de junho de 2020 às 18:48
Pregão na bolsa paulista, a B3 (24.mai.2016)
Foto: Paulo Whitaker/Reuters

A bolsa brasileira teve um pregão volátil nesta sexta-feira (19), mas conseguiu fechar em alta e também acumulou desempenho positivo na semana. O ambiente de ampla liquidez global continuou prevalecendo sobre as tensões políticas e sobre o cenário econômico ainda desafiador no país.

O Ibovespa encerrou o dia em alta de 0,46%, a 96.572 pontos. O volume negociado chegou a R$ 38,5 bilhões. Na semana, o índice acumulou alta de 4,07%.

O Ibovespa chegou a alcançar 97.540 pontos na primeira etapa da sessão ,em meio a notícias de que a União Europeia começou o processo de aprovação de um pacote de estímulo sem precedentes no bloco de 750 bilhões de euros. Informações mais positivas sobre as relações comerciais EUA-China também ajudaram.

"Agora existe a expectativa de que índice alcance os 100 mil pontos, mas ainda é uma tarefa difícil, diz Fernando Góes, analista da Clear Corretora. "Como é uma resistência difícil de romper, é possível que ele demore um pouco e fique sem tendência, voltando a cair levemente", completa.

Ele acredita, porém, que depois que a barreira for ultrapassada, o índice deve subir rapidamente, atingindo os 104 mil, 107 mil pontos.

O Ibovespa perdeu força no começo da tarde, após a notícia de que a Apple voltará a fechar algumas lojas nos Estados Unidos por causa de aumento no número de novos casos de coronavírus no país derrubar Wall Street, arrastando junto a bolsa brasileira. Na mínima da sessão, o índice foi a 95.874,30 pontos. 

Além disso, o chairman do Federal Reserve, Jerome Powell, afirmou que a recuperação econômica dos EUA após a epidemia do coronavírus é desafiadora, enquanto o presidente do Fed de Mineápolis, Neel Kashkari, disse que pode haver uma segunda onda de infecções no outono norte-americano. 

O Departamento de Pesquisa Econômica do Bradesco observa que a possibilidade de uma segunda onda de contágio pelo novo coronavírus aumenta a incerteza sobre o ritmo de recuperação da economia global, com novos casos de Covid-19 voltando a aparecer na China e em alguns estados dos EUA. 

"As sondagens empresariais e com consumidores nas principais economias continuam apontando para recuperação já em maio, mas essa percepção precisa ser corroborada pelos dados efetivos", afirmou, ponderando, contudo, que o Fed e outros BCs continuam sinalizando que estímulos seguirão presentes.

Na visão do estrategista Dan Kawa, da TAG Investimentos, o excesso de liquidez disponibilizado pelos bancos centrais continua a se sobrepor a qualquer outro aspecto econômico, financeiro e até mesmo político enquanto não houver risco de um evento mais extremo, como um processo de impeachment.

A prisão de Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), na véspera, trouxe mais uma pitada de incerteza ao ambiente, e a bolsa pode vir a sofrer, acrescentou Kawa. Mas ele ressaltou que o mercado acionário brasileiro está sendo bem sustentado pela liquidez global, além de uma taxa de juros historicamente baixa.

Lá fora

Em Wall Street, a demanda por ativos seguros retornou e os mercados voltaram a cair nesta sexta-feira depois que a Apple anunciou o fechamento temporário das lojas nos EUA.

O índice Dow Jones caiu 0,8%, a 25.871 pontos, enquanto o S&P 500 perdeu 0,564946%, a 3.098 pontos. O índice de tecnologia Nasdaq avançou 0,03%, a 9.946 pontos.

O índice MSCI para ações globais chegou ao fim da tarde em queda de 0,20%. 

Na Europa, as ações diminuíram os ganhos, mas fecharam em alta, antes da notícia da Apple. Investidores continuaram esperançosos de que um pacote massivo de estímulos no valor de 750 bilhões de euros seja aprovado em breve, embora líderes da União Europeia (UE) tenham feito pouco progresso nas negociações.

O índice pan-europeu STOXX 600 fechou em alta em 0,56%.

Na China, as ações encerraram o dia em alta. Liderados pelas startups, mediante a promessa do governo chinês de reformas e suporte à liquidez, o índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, avançou 1,34%, enquanto o índice de Xangai teve alta de 0,96%.

(Com Reuters)