Após apagar tuíte, Ramos se reúne com Maia para discutir auxílio emergencial

Por Igor Gadelha, CNN  
25 de junho de 2020 às 11:24 | Atualizado 25 de junho de 2020 às 14:34
O ministro-chefe da Secretaria de Governo, general Luiz Eduardo Ramos
Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

O ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, procurou o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, na manhã desta quinta-feira (25), para discutir a prorrogação do auxílio emergencial. Os dois se reuniram na residência oficial do deputado, em Brasília.

Ramos procurou Maia após postar e apagar, no início da manhã, um tuíte anunciando que o governo iria pagar mais três parcelas do auxílio emergencial nos valores de R$500, R$ 400 e R$300. Como a coluna noticiou, a postagem causou saia-justa entre outros ministros da Esplanada.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, ainda tentava alinhar o assunto com Maia e o presidente do Senado Federal, Davi Alcolumbre, antes de fazer o anúncio oficial da prorrogação do benefício, também conhecido como “coronavoucher”. 

À CNN, o presidente da Câmara demonstrou resistências ao anúncio feito por Ramos. Segundo ele, a redução escalonada do auxílio emergencial anunciada pelo ministro vai exigir o envio de uma nova medida provisória ou projeto de lei para análise do Congresso.

Maia indicou que segue preferindo o pagamento de duas parcelas adicionais de R$ 600 do benefício. “O custo (da redução escalonada) é o mesmo. E duas de R$ 600 não precisa de lei”, ponderou o presidente da Câmara à coluna.

Nesta quarta-feira (24), Guedes tinha dito à CNN que o governo anunciará “muito em breve” a prorrogação do auxílio emergencial. O cheque da equipe econômica, porém, não quis antecipar valores nem o total de parcelas que o governo pretende pagar.