FMI: Brasil terá segundo maior rombo das contas públicas do mundo em 2020

Para piorar, a dívida pública brasileira deve alcançar 102,3% do PIB, ante menos de 90% de 2019

Fernando Nakagawa
Por Fernando Nakagawa, CNN  
25 de junho de 2020 às 07:21 | Atualizado 25 de junho de 2020 às 07:29
Abertura de Mercado é um podcast diário com as principais notícias econômicas
Foto: CNN Brasil

A instituição prevê que as contas do governo terminarão o ano saldo negativo equivalente a 16% do PIB. Pior que nós, só os EUA, que devem ter impacto de 23,8% do Produto Interno Bruto. 

No episódio de hoje:

- Números que indicam uma segunda onda de casos da Covid-19 nos EUA geraram onda de pessimismo do mercado financeiro;
- Pelo menos 26 dos 50 estados voltaram registrar aumento nos casos;
- Na terça-feira (23), o país registrou 34,7 mil novos casos, o terceiro maior número desde o início da pandemia;
- Diante disso, alguns governadores voltaram a anunciar medidas de restrição à circulação;
- Para o investidor essas notícias são muito negativas, pois podem atrasar ainda mais a retomada da atividade;
- S&P, principal índice da bolsa de Nova York, caiu 2,6% na quarta-feira (24). Em São Paulo, o Ibovespa seguiu o movimento e perdeu 1,66%;
- O dólar subiu forte, 3,33% e terminou o dia a R$ 5,32. A tendência negativa segue nas bolsas europeias nos primeiros negócios de quinta-feira (25);
- Ainda na Europa, o governo francês anunciou a intenção de estender por até dois anos o programa de apoio a empresas e empregos;
- Governo bancará parte do salário de trabalhadores de empresas em dificuldades para tentar evitar demissões em massa;
- A corrida eleitoral americana também é uma pauta do mercado financeiro;
- Faltando pouco mais de quatro meses para as eleições, uma pesquisa divulgada pelo NY Times coloca Joe Biden à frente de Trump por 14 pontos;
- O democrata tem 50% das intenções de voto enquanto Trump leva 36% até então. Em Wall Street, a torcida é pela reeleição do republicano;
- FMI atualizou as previsões macroeconômicas e passou a prever que o Brasil deverá terminar o ano com o segundo maior rombo das contas públicas do mundo;
- A instituição prevê que as contas do governo terminarão o ano saldo negativo equivalente a 16% do PIB; Pior que nós, só os EUA, que devem ter impacto de 23,8% do produto interno bruto;
- Para piorar, a dívida pública brasileira deve alcançar 102,3% do PIB, ante menos de 90% de 2019;
- O senado aprovou na noite de quarta (24) o novo marco regulatório para o saneamento básico no Brasil;
- Agora, existirá mais espaço para a entrada de capital privado no setor. Além disso, cria metas para a universalização dos serviços de água e esgoto para a próxima década;
- O repórter Matheus Prado fez uma matéria sobre as perspectivas das ações do setor de saneamento diante dessa aprovação;
- Voltando à plataforma de pagamentos do WhatsApp, o Cade explica que a medida foi tomada diante da avaliação que o sistema poderia estabelecer uma integração entre a rede social e a Cielo;
- Órgão teme que a empresa não permita a entrada de outros sistemas de processamento de pagamentos no négocio;
- Além disso, Banco do Brasil e Bradesco são sócios da Cielo. As ações da empresa tombaram 13% na bolsa;
- Antes da pandemia, a aérea JetSmart apresentou plano à Anac para entrar no mercado doméstico brasileiro;
- E, mesmo com o choque de demanda no mercado, informou à Reuters que mantém o plano;
- O Museu do Louvre anunciou que já teve € 40 milhões em prejuízos pelo fechamento no período da quarentena;
- AGENDA: BC divulga às 8h o relatório trimestral da inflação;
- Às 9h, o IBGE divulga a prévia da inflação para o mês de junho.