Ibovespa acompanha Wall Street e sobe 1,7% em dia de sessão volátil

Aceleração nos casos de coronavírus em várias regiões contrasta com expectativas por melhora da economia

Do CNN Brasil Business, em São Paulo
25 de junho de 2020 às 10:14 | Atualizado 25 de junho de 2020 às 17:31
Salão da bolsa paulista, a B3, em dia de negociações (24.mai.2016)
Foto: Paulo Whitaker/Reuters

Após uma manhã instável, em que oscilou entre altas e baixas, o Ibovespa firmou-se no campo positivo e encerrou o dia com avanço de 1,7%, a 95.983,09 pontos. A alta firme dos últimos momentos acompanhou a tendência das bolsas em Wall Street, que também ampliaram os ganhos ao fim do dia após um sessão volátil. Na quarta-feira, o Ibovespa caiu 1,66%, a 94.377,36 pontos.

No radar doméstico, pesaram as declarações do Relatório Trimestral de Inflação (RTI), publicado mais cedo. No documento, o Banco Central (BC) atualizou sua projeção oficial para o desempenho do Produto Interno Bruto (PIB) em 2020 – a expectativa, que era "crescimento" 0% na leitura anterior, foi revista para recessão de 6,4%.

Outro indicador divulgado nesta manhã aponta os rumos da inflação para o ano. Conforme informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), que é considerado uma prévia da inflação oficial, subiu 0,02% em junho, frente a uma queda de 0,59% no mês anterior. Este é o menor resultado referente a um mês de junho desde 2006.

Na véspera, o Senado aprovou o projeto que atualiza o marco legal do saneamento básico, que segue à sanção presidencial. As novas regras criam instrumentos que facilitam privatizações e ampliam o papel da Agência Nacional de Águas (ANA) como órgão organizador dos investimentos no setor, assim como em áreas como energia elétrica.

Lá fora

Já no cenário externo, a aceleração dos casos de coronavírus no mundo afetava as expectativas de recuperação econômica. As infecções pelo vírus tiveram aumentos recordes nos estados norte-americanos da Flórida, Oklahoma e Carolina do Sul, enquanto a Austrália registrou o maior aumento diário nas infecções em dois meses.

Nos Estados Unidos, os principais índices de Wall Street encerraram em alta ao fim de um pregão volátil. As ações de bancos dispararam depois que os reguladores bancários norte-americanos afrouxaram regras, enquanto investidores esperam pelos resultados do teste anual de estresse do setor, que ajuda a determinar as políticas de dividendos.

O índice Dow Jones avançou 1,17%, para 25.744,71 pontos, o S&P 500 avançou 1,09%, para 3.083,67 pontos, e o Nasdaq valorizou 1,09%, para 10.017,00 pontos.

Na zona do euro, as ações fecharam em alta, com impulso do anúncio de novos estímulos do Banco Central Europeu (BCE). O índice FTSEurofirst 300 subiu 0,8%, a 1.405 pontos, enquanto o índice pan-europeu STOXX 600 ganhou 0,72%, a 360 pontos em uma sessão instável.

O BCE divulgou que oferecerá empréstimos em euros contra garantias a bancos centrais fora da área do euro para apoiar os mercados de financiamento em meio à pandemia de coronavírus.

Entre as bolsas asiáticas, as ações japonesas se destacaram ao fechar o dia em uma mínima de mais de uma semana. O índice Nikkei caiu 1,2%, a 22.259,79 — nível de fechamento mais baixo desde 15 de junho. Os setores cíclicos de transporte aéreo, metais não-ferrosos e ferro e aço ficaram entre os de pior desempenho na bolsa.

(Com Reuters)