É o fim oficial do Segway, o diciclo dos 'seguranças de shopping'

Diciclo foi sensação em 2001, quando foi lançado, mas não revolucionou o mundo dos transportes, como esperava seu criador

Matt McFarland, do CNN Business
27 de junho de 2020 às 10:30
Segway: diciclo foi sensação em 2001, quando foi lançado, mas não revolucionou o mundo dos transportes, como esperava seu criador
Foto: Timur Romanov/Unsplash

O Segway PT, diciclo que conquistou um lugar na cultura pop, mas nunca concretizou as ambições de seus criadores de mudar o mundo, chega ao fim neste verão.

A Ninebot, com sede na China e que adquiriu a marca Segway em 2015, interromperá a produção do PT, abreviação de Personal Transporter (transportador pessoal), em 15 de julho. Vinte e um funcionários serão dispensados de sua fábrica em Bedford, no estado americano de New Hampshire. A Fast Company foi a primeira a relatar a notícia.

O Segway PT foi uma sensação em 3 de dezembro de 2001, quando foi apresentado no programa de TV Good Morning America. Dean Kamen, seu inventor, disse que uma revolução no transporte urbano estava chegando e que carros ficariam obsoletos. Kamen achava um absurdo usar carros de quase duas toneladas e caminhões para trajetos curtos.

Mas no ano passado, o Segway PT respondeu por apenas 1,5% da receita da Ninebot, de acordo com Tony Ho, vice-presidente de desenvolvimento de negócios globais da Segway. Com preços a partir de US$ 6 mil e, às vezes, chegando a US$ 10 mil, somente os departamentos de polícia e grupos de turismo poderiam pagar, disse ele.

Leia também:
Vendas online de bebidas alcoólicas dobraram na pandemia, diz CEO da Diageo
Vendas de eletrodomésticos já estão em recuperação, diz CEO da Whirlpool

"Foi uma grande invenção 20 anos atrás", disse Ho. "Agora parece meio desatualizado." Ele contou também que alguns departamentos de polícia mudaram para as scooters elétricas mais baratas da Ninebot. O Ninebot também está encerrando a produção de um dispositivo do Segway de três rodas, projetado para o policiamento comunitário.

Ho disse que discussões recentes sobre financiamento para departamentos de polícia após a morte de George Floyd não afetaram a decisão da Ninebot.

Antes do Segway, Kamen construiu seu nome como inventor de dispositivos médicos, como uma bomba de insulina portátil. O projeto Segway PT surgiu de seu trabalho nos anos 90 em uma cadeira de rodas de autoequilíbrio.

O Segway PT estava à frente de seu tempo, mas não apenas no bom sentido. O preço foi uma grande barreira à sua adoção, chegando a US$ 4,9 mil quando foi lançado.

As baterias, que inicialmente custavam mais de US$ 1 mil, eram muito caras para se produzir uma versão mais acessível. Durante anos, a empresa lutou para reduzir seu preço. Os preços na verdade aumentaram, provavelmente devido à inflação e novos recursos off-road, de acordo com Ho. Desde 2001, já foram vendidos 140.000 unidades, segundo um porta-voz da Segway.

O Segway PT encontrou um lugar nas manchetes e em Hollywood. O presidente George W. Bush chamou a atenção depois de cair de um em 2003. No início daquele dia, os funcionários da Segway haviam visitado as dependências de Bush e ensinado outros membros da família Bush a andar nele. O Segway PT apareceu em programas de TV e filmes de Hollywood, como "Segurança de Shopping".

Em vez de ser uma coisa bacana e mudar o mundo, o Segway adquiriu uma imagem nerd.

Conforme disse Matt Gelbwaks, ex-funcionário da Segway, à CNN em um perfil de 2018 na empresa: "Havia um aspecto 'bobo' significativo".

Kamen, que não respondeu imediatamente a um pedido de comentário, contou à CNN Business em 2018 que o Segway continua sendo o projeto pelo qual a maioria das pessoas o conhece.

"Não importa as outras coisas que eu faça na vida", ele disse, "eu sou o cara do Segway."

(Texto traduzido, clique aqui e leia o original em inglês)

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook