Doria vai dar opção aos prefeitos para abertura do comércio no estado de SP

Cidades poderão manter funcionamento das lojas todos os dias durante quatro horas ou optar por abrir o comércio por seis horas, mas apenas quatro dias na semana

Raquel Landim
Por Raquel Landim, CNN  
27 de junho de 2020 às 21:13

O governador de São Paulo, João Doria, decidiu dar duas opções aos prefeitos para a abertura do comércio na primeira fase de flexibilização de quarentena, a chamada fase "laranja", apurou a CNN.

Os prefeitos poderão manter o funcionamento das lojas todos os dias durante quatro horas ou optar por abrir o comércio por seis horas, mas apenas quatro dias na semana. Nos outros três dias, as lojas deverão ficar fechadas.

Leia também:

Lojas de shoppings de São Paulo têm queda de até 90% após reabertura

Indicadores de São Paulo justificam cautela na abertura de bares e restaurantes

SP libera bares e restaurantes na capital; previsão é de reabertura dia 6

Governo de SP anuncia protocolo para retomada das aulas em setembro

A expectativa é que a mudança passe a valer a partir de segunda-feira, mas o anúncio ainda não foi feito pelo governo de São Paulo. A decisão foi tomada neste sábado (27) durante uma reunião do centro de contigência do governo estadual, que comanda o combate à pandemia do coronavírus.

Na primeira opção, que está em vigor hoje, lojas e shoppings ficam abertos por 28 horas na semana, enquanto, na segunda alternativa, o tempo cai para 24 horas. Em compensação, as lojas funcionam por um período mais longo, o que tende a reduzir custos.

A expansão para seis horas na fase "laranja" era um pleito do setor do comércio. Eles argumentam que abrir apenas 4 horas acaba provocando aglomerações. O fechamento das lojas no fim de semana também evita que as pessoas passeiem nos shoppings durante o fim de semana.

Pelas regras atuais do Plano São Paulo, o comércio só pode voltar a funcionar seis horas por semana todos os dias nas regiões que avançam para a fase amarela. Neste momento, apenas a capital paulista está nessa etapa, mas o prefeito Bruno Covas preferiu adiar uma maior flexibilidade até o dia 6 de julho.

Covas afirmou que só vai migrar para as novas regras da fase amarela, que permite maior funcionamento do comércio e abertura de bares, restaurantes e salões de beleza, se a capital paulista mantiver indicadores favoráveis de redução de utilização de leitos de UTI e de avanço da doença.

Segundo apurou a reportagem, o município de São Paulo pode adotar a segunda opção oferecida pelo governo estadual enquanto permanecer na fase laranja: funcionamento do comércio por seis horas quatro vezes por semana.