Governo quer a Caixa Econômica operando o Renda Brasil


Thais Herédia
Por Thais Herédia, CNN  
30 de junho de 2020 às 11:57
Paulo Guedes

Ministro da Economia, Paulo Guedes, na reunião ministerial em 22 de abril, no Palácio do Planalto.

Foto: Marcos Corrêa/PR

O governo deve anunciar em breve o Renda Brasil, uma reformulação de todas as políticas sociais do país. O novo programa será apresentado pelo Ministério da Economia de Paulo Guedes, mas já se sabe que ele passará, obrigatoriamente, por uma revisão completa de todos os gastos do setor público com transferência de renda. 

Enquanto buscam a forma mais eficiente e com maior poder de convencimento do Congresso Nacional, a equipe econômica já decidiu que quer a Caixa Econômica na operacionalização do novo programa, segundo apurou a CNN Brasil. 

A equipe técnica do banco público tem sido chamada para participar da formulação do projeto. A experiência com o pagamento mensal do auxílio emergencial a mais de 60 milhões de brasileiros durante a pandemia deu à Caixa acesso digital a este contingente de trabalhadores informais, pelo menos 40 milhões até então invisíveis ao poder público. 

Leia também:
Guedes confirma mais duas parcelas de R$ 600 do auxílio emergencial
Guedes: em 2 ou 3 meses anunciaremos programas sociais para estimular retomada

O registro inédito dessas pessoas, feito com urgência para transferir renda aos mais vulneráveis à crise provocada pelo novo coronavírus, é um dos instrumentos mais importantes que o governo federal já teve em mãos para enxergar quem realmente precisa ser resgatado e acolhido. 

O Bolsa Família, programa criado pelo governo petista, tinha catalogado pouco mais de 23 milhões de brasileiros, cerca de 14 milhões de famílias. A pandemia mostrou que havia quase o dobro de trabalhadores em situação precária, completamente desassistidos pelo poder público, ou sob a proteção das leis trabalhistas. 

A Caixa tem feito transferências simultâneas para cerca de 8 a cada 10 brasileiros adultos do país. Aqueles já cadastrados no Bolsa Família se juntaram aos 40 milhões de informais, mais os cotistas do FGTS que tiveram acesso a mais recursos liberados pelo governo federal. Segundo técnicos do banco público, entre 10 e 15 milhões daqueles que tinham direito ao Fundo de Garantia também não tinham conta em banco. 

A bancarização feita pelo sistema digital criado pela Caixa pode facilitar e reduzir o custo da operacionalização do Renda Brasil. O sucesso do novo programa, contudo, vai depender do respeito aos limites do orçamento federal.

Para atender a quem mais precisa e conter o empobrecimento da população brasileira, as lideranças em Brasília terão que aceitar um redesenho das políticas públicas para que o volume de recursos já direcionados aos programas de transferência de renda seja mantido sob uma gestão muito mais eficiente, transparente e responsável.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook