Brasil não pode perder inovação, diz presidente da Ericsson sobre 5G no país


Da CNN
15 de julho de 2020 às 21:45

Em entrevista à CNN, Eduardo Ricotta, presidente da Ericsson na América Latina, falou sobre a licitação  quinta geração (5G) de rede de internet móvel no país, que deve ocorrer no primeiro semestre do ano que vem. Segundo ele, o leilão precisa acontecer o mais rápido possível, porque o país não pode perder inovação.

“Hoje, a economia digital dos Estados Unidos é maior do que o PIB [Produto Interno Bruto] do Brasil. Eles têm grandes empresas que foram criadas após a chegada dessa tecnologia”, disse. 

“Acreditamos que com o 5G nós teremos mais ou menos o mesmo procedimento, ou seja, a criação da inovação em cima da chegada da tecnologia. Por isso, não podemos ficar muito longe dos outros países”, explicou.

Questionado se o Brasil terá um posicionamento "anti-China" apesar da expertise chinesa para a tecnologia 5G, Ricotta disse que essa é uma “questão geopolítica”, e que o foco é atender os clientes.

“Cada país vai tomar uma decisão, e nós vamos seguir o que for determinado por cada país, não só no Brasil, mas em todos os países da América Latina”, falou. 

Assista e leia também:

Telefônica diz que ativará 5G em oito capitais a partir de 24 de julho

China diz que irá defender seus interesses após Reino Unido banir 5G da Huawei

Ricotta afirmou ainda que a Ericsson está preparada para tirar o 5G do papel no Brasil. “Temos o maior número de patentes de 5G, estamos aqui há 95 anos, temos fábrica de alta tecnologia em São José dos Campos, de onde exportamos 47% da produção 2G, 3G, 4G e, em breve, 5G”, disse.

(Edição: Bernardo Barbosa)