Autonomia do BC pode ser aprovada nos próximos 12 meses, diz Pinho de Mello

Diretor de Organização do Sistema Financeiro disse que há expectativa de aprovação do projeto de autonomia do BC, que tramita atualmente no Congresso

Do Estadão Conteúdo
20 de julho de 2020 às 17:05

Sede do Banco Central: a autarquia pode ter sua autonomia aprovada dentro de um ano 

Foto: Bruno Rocha/Fotoarena/Estadão Conteúdo

O diretor de Organização do Sistema Financeiro, João Manoel Pinho de Mello, afirmou nesta segunda-feira, 20, que há expectativa de aprovação do projeto de autonomia do Banco Central (BC), que tramita atualmente no Congresso. Questionado se isso poderia ocorrer dentro dos próximos 12 meses, Pinho de Mello disse acreditar que é possível.

O projeto de autonomia é uma das prioridades legislativas do presidente do BC, Roberto Campos Neto. Em função da pandemia do novo coronavírus, no entanto, a proposta acabou ofuscada por outros projetos de maior urgência para o combate da crise.

Leia também:
BC quer participação de todos os bancos no PIX para ter competição, diz diretor
'Brasil virou pária do investimento internacional', diz ex-presidente do BC

A expectativa do BC, no entanto, é que passado o pior momento da crise, a matéria volte a ganhar prioridade no Congresso.

PIX será "muito barato"

Em evento organizado pela Genial Investimentos, Pinho de Mello também afirmou que o PIX - o sistema brasileiro de pagamentos instantâneos - será "muito barato" para todos os pagadores.

"Já anunciamos que haverá várias gratuidades do lado dos pagadores, por simetria com outros instrumentos de pagamento", explicou o diretor. "Você não paga para usar o cartão de débito. Para o pagador, é como se fosse de graça. No PIX, a transferência entre pessoas terá gratuidade tanto no recebedor quanto do pagador", comparou.

Pinho de Mello afirmou ainda que cada mensagem que transitará pela plataforma do PIX terá custo de um décimo de centavo de real. "As empresas vão se rentabilizar cobrando dos recebedores, como os estabelecimentos comerciais", acrescentou.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook