Salvador se prepara para reabrir shoppings e lojas de rua nesta sexta (24)

Associação de shopping centers estima perdas de R$ 2,5 bilhões em faturamento só na capital baiana

Jhonatã Gabriel, da CNN em Salvador
23 de julho de 2020 às 18:51 | Atualizado 23 de julho de 2020 às 19:18
Preparativos para reabertura de shopping em Salvador
Foto: Romildo de Jesus - 23.jul.2020/Futura Press/Estadão Conteúdo

Após cumprir a meta de permanecer por cinco dias consecutivos com a taxa de ocupação dos leitos de UTI adulto em no máximo 75%, a cidade de Salvador se prepara para acionar, nesta sexta-feira (24) a fase 1 de retomada das atividades, que inclui os shoppings e demais centros comerciais, as lojas de rua com mais de 200 metros quadrados, os drive-ins e templos religiosos.

De acordo com o coordenador regional da Associação Brasileira de Shoppings Centers (Abrasce) na Bahia, Edson Piaggio, há uma grande expectativa em relação à reabertura dos shoppings em Salvador. Fechados desde 21 de março, estes centros comerciais amargam uma queda em torno de 60% no faturamento em relação ao mesmo período de 2019.

"Perdemos R$ 2,5 bilhões em faturamento só na capital, onde temos dez shoppings filiados à Abrasce", disse Piaggio. "Perdemos vendas em datas importantes como o São João, o Dia das Mães e o Dia dos Namorados. Se juntarmos com os shoppings do interior, a perda no faturamento seguramente chega a R$ 3 bilhões."

De acordo com Piaggio, cinco shoppings já reabriram no interior da Bahia, nas cidades de Teixeira de Freitas (um shopping), Feira de Santana (dois) e Vitória da Conquista (dois).

Piaggio disse ainda que há a recomendação de que não sejam realizadas promoções para o Dia dos Pais, por exemplo, para que não ocorram aglomerações.

"Não podemos fazer promoções para vender os produtos que estão estocados desde o início da pandemia", afirmou.

Já a Fecomercio, de acordo com o último levantamento, estima que nos meses de abril e maio o varejo baiano teve um prejuízo de aproximadamente R$ 5,32 bilhões -- cerca de R$ 87 milhões por dia.

Leia também:

Rui Costa culpa festas por surtos de Covid-19 em cidades da Bahia

Municípios contrariam governo da Bahia e têm distribuição de kits com cloroquina

O decreto que ativa a fase 1 de retomada das atividades em Salvador foi assinado nesta quinta-feira (23) durante entrevista coletiva virtual pelo prefeito ACM Neto (DEM). Segundo ele, a retomada de parte das atividades econômicas após quatro meses só é possível porque a cidade vive um momento de estabilidade e desaceleração dos principais indicadores, como número de novos casos, internações e mortes decorrentes da Covid-19.

Um dos investimentos que contribuíram para a diminuição da taxa de ocupação e o percentual em 75% ou menos por cinco dias foi a ampliação na oferta de leitos. De acordo com Neto, em 29 de abril, eram 152 leitos para pacientes com o novo coronavírus. Atualmente são aproximadamente 670, com previsão de abertura de novas UTIs para Covid-19, em um esforço conjunto da prefeitura e do governo estadual.

Na fase 1 de retomada das atividades em Salvador, o transporte público vai funcionar com 70% da sua capacidade. Os itens que compõem o protocolo geral e os específicos, a exemplo do horário alternado de funcionamento de cada atividade, foram pensados de modo a evitar que muitas pessoas utilizem simultaneamente o transporte público.

Caso os leitos de UTI adulto atinjam o patamar de 80% de ocupação, a fase 1 será desativada e os estabelecimentos serão novamente fechados, garantiu o prefeito.

"A margem de segurança é de 80%. Atingir esse percentual não é o que projetamos, nem o que queremos. Mas as pessoas precisam fazer a sua parte, usando máscara, álcool em gel, não levando as mãos ao rosto. Tenhamos consciência de que a responsabilidade é de todos", disse ACM Neto.

Protocolos

Há um protocolo geral e um específico para cada atividade. No caso dos shoppings, o funcionamento será de segunda a sábado, do meio-dia às 20h, com metade da capacidade dos estacionamentos. A praça de alimentação estará desativada, e as lanchonetes e restaurantes poderão funcionar apenas por meio de delivery ou com retirada dos alimentos e bebidas no local. Nas áreas comuns, será permitida uma pessoa para cada 9 metros quadrados. Nas lojas, uma pessoa para cada 5 metros quadrados.

Já o comércio de rua com mais de 200 metros quadrados vai funcionar das 10h às 16h, respeitando o limite de uma pessoa para cada 9 metros quadrados.

As igrejas e templos religiosos poderão funcionar das 10h às 20h de segunda a sexta-feira, mas no domingo o horário é livre. A capacidade deve ser de 20% do espaço ou 50 pessoas.

Os eventos em drive-in, como shows e sessões de cinema, poderão ser realizados mediante autorização da prefeitura. Será permitido no máximo quatro pessoas por carro, que deverão ficar distantes pelo menos 1,5 metro, e os ingressos só poderão ser vendidos pela internet.

Para acessar todos os espaços que compõem a fase um de retomada das atividades, será obrigatório o uso de máscaras, e cabe a cada estabelecimento disponibilizar álcool em gel aos clientes e frequentadores.

Embora muitas barbearias e salões de beleza funcionem em shoppings, estes estabelecimentos poderão funcionar somente na fase 2, quando a taxa de ocupação dos leitos de UTI adulto permanecer por cinco dias em 70%. Nesse grupo estão ainda as academias de ginástica e similares, centros culturais, museus, galerias de arte, além das lanchonetes, bares e restaurantes.