Governo de SP avalia reabrir escolas com 80% da população na fase 'amarela'

Raquel Landim
Por Raquel Landim, CNN  
26 de julho de 2020 às 17:08 | Atualizado 27 de julho de 2020 às 20:40
 

O governo de São Paulo avalia permitir a volta às aulas com 80% da população do Estado na fase "amarela" de reabertura gradual da economia. É a terceira etapa da retomada das atividades, após as fases “vermelha” e “laranja”.

A previsão inicial era só autorizar a retomada das atividades nas instituições de ensino depois que todo o Estado  já estivesse na fase “amarela”. 

A decisão final será tomada até o dia 7 de agosto, um mês antes da data prevista para a volta às aulas: 8 de setembro. As escolas estão fechadas desde 23 de março por causa do novo coronavírus. 

Leia também:

Da alimentação ao embarque: pandemia altera rotina nos aeroportos

Metade dos médicos relata pressão para dar remédio sem comprovação científica

Pandemia levanta temores de 'apagão' de mesários nas eleições municipais

"Só voltaremos com muita segurança . Até o dia 7 estaremos discutindo o assunto e amadurecendo essa decisão", disse à CNN o secretário estadual da Educação, Rossieli Soares.

Ele ressalta que o decreto editado pelo governo estadual já prevê a possibilidade de reabrir as escolas quando 80% da população estiver na fase "amarela", na qual funcionam com limitações bares, restaurantes, lojas, academias, escritórios etc.

Hoje 53% dos paulistanos vivem em regiões classificadas na fase "amarela", boa parte na região metropolitana e na capital paulista. Do restante, 38% estão na etapa "laranja", mas 8% ainda permanece na fase "vermelha", na qual só funcionam as atividades essenciais.

As escolas particulares e também parte das autoridades do governo estadual vem pressionando por uma regionalização da reabertura das escolas, porque vai ser difícil manter todo o Estado na mesma etapa ao mesmo tempo até a chegada da vacina.

De acordo com o secretário, a possibilidade de regionalização da abertura das escolas é mais aceitável na educação infantil e no ensino fundamental até a 6 série. Alguns estudos evidenciam que as crianças menores podem transmitir menos o vírus.

Soares frisa, no entanto, que a retomada das aulas só ocorrerá com "segurança".