Tesla recebeu auxílio dos EUA para amenizar impactos da crise da Covid-19

Mesmo assim, Elon Musk não quer que os Estados Unidos continuem com a política de estímulos para empresas

Reuters
28 de julho de 2020 às 12:55 | Atualizado 28 de julho de 2020 às 13:15

Logo da automotiva norte-americana Tesla, comandada por Elon Musk: empresa recebeu auxílio governamental durante a pandemia

Foto: Mike Blake/Reuters

A Tesla recebeu auxílio governamental relacionado à sua folha de pagamento no primeiro semestre do ano para ajudar a reduzir o impacto da pandemia de coronavírus em seus negócios, informou a montadora de veículos elétricos em comunicado nesta terça-feira (28).

A empresa disse que, juntamente com cortes de custos, o auxílio compensou quase todas as despesas geradas por paralisação das fábricas durante a pandemia. Porém, o CEO, Elon Musk, se posicionou contra mais auxílio do governo norte-americano enquanto o Congresso do país debate outra rodada de estímulos.

Leia também:
Tesla fatura milhões: por que os créditos de carbono ainda não decolaram aqui
Elon Musk faz apelo à Vale: 'produzam mais níquel' para as baterias da Tesla
Elon Musk cala os críticos: Tesla registra quarto trimestre seguido de lucro

A única fábrica norte-americana da Tesla, que fica na Califórnia e é onde a maioria dos carros da companhia é produzida, foi fechada por cerca de seis semanas no segundo trimestre, após um impasse inicial com as autoridades locais.

A empresa e sua subsidiária SolarCity não aparecem em uma lista da US Small Business Administration, que concedeu empréstimos perdoáveis a milhões de empresas, em um esforço para evitar demissões generalizadas.

A Tesla não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

"Como parte de várias respostas governamentais à pandemia concedidas a empresas em todo o mundo, recebemos certos benefícios relacionados à folha de pagamento que ajudaram a reduzir o impacto da pandemia de Covid-19 em nossos resultados financeiros", afirmou a empresa ao mercado.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook