Ideologia não é levada em conta nas decisões, diz diretor da Huawei Brasil

Diretor sênior de relações governamentais do Huawei Brasil, Atilio Rulli, disse esperar continuar trabalhando com conexões móveis no Brasil

Da CNN
30 de julho de 2020 às 21:51 | Atualizado 30 de julho de 2020 às 21:52

No meio de uma disputa geopolítica mundial entre Estados Unidos e China, a Huawei vem sofrendo diversas pressões para que seja impedida de participar de leilões de 5G ao redor do planeta. O Brasil chegou a ser ameaçado pelo embaixador dos EUA no país, Todd Chapman, caso não retirasse a empresa chinesa do leilão. 

Em resposta às ameaças por parte dos Estados Unidos, o diretor sênior de relações governamentais do Huawei Brasil, Atilio Rulli, disse que questões ideológicas não influem na empresa.

“Questão de ideologia não é levada em conta em um cenário de 196 mil colaboradores. O que é considerado na hora de tomar uma decisão são questões técnicas e de sustentação da empresa.”

Leia também:

Defendemos liberdade econômica, diz presidente do SindiTelebrasil sobre Huawei

5G: França não vai impedir Huawei de investir no país, diz ministro

Brasil precisa ser pragmático na disputa EUA-China sobre 5G, diz ex-embaixador

Rulli ressaltou que a Huawei atua no Brasil desde as tecnologias 3G, e relembra que o país foi o segundo do mundo a receber um escritório da empresa fora da China.

“Trabalhamos no Brasil com o 3G, 4G e 4.5G, e estamos com pensamento positivo para dar continuidade no desenvolvimento da rede móvel no mercado brasileiro. O 5G é apenas uma evolução destas redes. Somos confiantes em nossas soluções e nossos produtos.”

(Edição: Bernardo Barbosa)