'Todo imposto gera distorção. Qual queremos combater?', diz Adolfo Sachsida


Da CNN
31 de julho de 2020 às 23:47

Com o aumento na intensidade das discussões sobre a reforma tributária e a promessa do ministro da Economia, Paulo Guedes, de que irá entregar a proposta completa do governo na próxima semana no Congresso Nacional, diversas questões surgiram sobre o texto governista e uma proposta de um imposto nos moldes da CPMF. Apesar das críticas em relação a ideia, o secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida, disse que o governo não pretende aumentar impostos.

“Se amanhã fosse aprovada a reforma, seja da Câmara ou do Senado, ainda assim em termos operacionais você precisa fazer primeiro a reforma do governo, uma vez que não se pode apostar alíquota única para todos os impostos. Esse é o momento de fazer um debate honesto: todo imposto gera distorções. Qual distorção podemos combater?”

Questionado sobre quando o governo irá enviar a proposta de reforma administrativa, Sachsida disse que o foco no momento é aprovar os marcos regulatórios em um período que disse que “entrará para a história” como os “meses de reformas”.

Leia também:

Após adiamento e pressão, Congresso retoma comissão da reforma tributária

Maia vê "muita desinformação no debate da reforma tributária"

Comissão que discute reforma tributária tenta se reunir de novo nesta sexta

“Estamos vivendo uma agenda de reformas. O período entre julho de 2020 e dezembro de 2021 vai entrar para a história como os meses de reforma. Vamos aprovar o projeto de lei do gás, o PL de falências, PL da cabotagem e mais. São agendas amplas de reformas pró-mercado. No momento, precisamos fortalecer os marcos legais da economia e, em seu devido tempo, a reforma administrativa será endereçada.”

Desemprego

Uma das boas notícias econômicas dos últimos dias foi uma queda menor no número de desempregados no Brasil. No entanto, Sachsida diz que o número favorável se deu por conta dos desalentados, que após a normalização da circulação de pessoas pós-pandemia, voltarão a procurar trabalho, o que irá agravar o quadro de desemprego no Brasil.

“O que falei sobre desemprego é que ele já cresceu. Os dados não captam isso por uma questão metodológica, pois desconsideram como desempregados aqueles que não buscam empregos. Quando a economia for reaberta, teremos maior movimentação de pessoas procurando trabalho, o que irá aumentar o índice de desemprego.”

(Edição: Bernardo Barbosa)