Tinder dá resultado? Com quarentena, dona do aplicativo cresce 12% no 2º tri


André Jankavski, do CNN Brasil Business, em São Paulo
04 de agosto de 2020 às 20:53
Tinder

Tinder em um smartphone: aplicativo mais popular do MatchGroup também foi o que cresceu mais

Foto: Kin Karampelas/Unplash

Nos tempos atuais, casais são formados e desmanchados em uma velocidade ímpar quando comparado com antigamente. E quando as pessoas ficam solteiras, elas têm buscado soluções mais rápidas para conhecer pessoas – mesmo na pandemia. O faturamento do MatchGroup, dono do Tinder e de outros aplicativos como OkCupid e Hinge, cresceu 12% no segundo trimestre de 2020.

Segundo balanço da empresa, a receita chegou a US$ 555,4 milhões entre abril e junho. O principal responsável pelo aumento foi, claro, o Tinder, com crescimento de 15% e chegando a um total de 6,2 milhões de assinantes. As outras marcas tiveram um crescimento mais modesto, de cerca de 9%.

Leia também:
Quarentena movimentada: apps como Tinder e Happn têm aumento de acessos
Ações da Locaweb dobram de valor em meio à pandemia: qual o segredo da empresa?

A pandemia e a quarentena forçada foram apontados pela empresa como alguns dos responsáveis pelo crescimento positivo. É verdade que essa realidade é mais presente, atualmente, no Brasil do que em outros países, mas em carta para os acionistas, a presidente da empresa, Shar Dubey, afirmou que a pandemia criou uma tendência das pessoas pagarem para usar todas as funções do aplicativo.

"Nossas tendências de usuário, como o envolvimento e a vontade de pagar por nossos produtos, estão em alta, provando o que sempre soubemos: nossos produtos atendem a uma necessidade humana muito crítica e essas necessidades não vão a lugar algum", afirmou Dubey.

Não por acaso, a empresa já estima um crescimento ainda maior no terceiro trimestre, para um faturamento por volta de US$ 600 milhões.

Segundo a executiva, também está procurando de novas aquisições na área, especialmente para alimentar a sua expansão geográfica.

Um exemplo foi a compra do aplicativo Hinge, criada em 2011, que era visto como um aplicativo de relacionamento “anti-Tinder”. Isso porque o Hinge sempre se colocou como um lugar para as pessoas encontrarem relacionamentos sérios: menos fotos e mais descrições. Afinal, todo mundo tem o seu lado interessante, segundo a plataforma.

O número de downloads do Hinge saltou 60% ao ano desde a compra e já chegou próximo a 5 milhões de downloads. “Esse é um exemplo da nossa habilidade de comprar marcas já existentes e trazer crescimento com nossas melhores práticas”, disse a executiva.

Vídeo + amor = lucro?

A empresa também espera que algumas ferramentas recentemente lançadas, como a opção de fazer chamadas em vídeo pelo próprio aplicativo do Tinder, façam que os resultados sejam alavancados nos próximos meses.

“Olhando para frente, temos um portfólio fenomenal de negócios que abordam a necessidade fundamental por negócios. Nós acreditamos que temos grandes vetores de negócio, como o vídeo um a um e ‘um a muitos’”, afirmou Dubey.

“Acreditamos que essas oportunidades nos ajudarão a alcançar forte crescimento da receita da linha superior, mantendo níveis saudáveis de lucratividade e caixa nos próximos cinco anos”, disse.

De janeiro até agora, as ações do Match Group cresceram 27,7% e a companhia é avaliada em US$ 27,8 bilhões. E se a quarentena durar mais tempo, é provável que esses números (assim como os de matchs) subam ainda mais.  

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook