Stone anuncia acordo com Linx: R$ 6 bilhões em dinheiro e em ações

O anúncio encerra meses de rumores envolvendo as duas empresas e ocorre em meio a uma revolução em andamento no mercado brasileiro de pagamentos

Alberto Alerigi Jr., da Reuters
11 de agosto de 2020 às 19:11 | Atualizado 12 de agosto de 2020 às 09:16
Maquininha de cartão: negócio anunciado hoje encerra meses de rumores envolvendo as duas empresas
Foto: Eric Gaillard/Reuters

A empresa de meios de pagamento Stone anunciou nesta terça-feira acordo vinculante para unir sua área de software com a Linx, numa transação em dinheiro e ações que avalia a produtora de programas para varejo em R$ 6,04 bilhões.

O anúncio encerra meses de rumores envolvendo as duas empresas e ocorre em meio a uma revolução em andamento no mercado brasileiro de pagamentos liderado pelo Banco Central e impulsionado pelos impactos da pandemia de coronavírus.

O acordo será implementado por meio de uma fusão de ações no Brasil, em que cada ação da Linx será trocada por uma ação PN classe A e B e ON da Stone. Após outras etapas da operação, o valor base da operação será de R$ 33,7625 por ação da Linx, considerando o preço da ação da Stone tendo base em 7 de agosto.

Leia também:
BC quer participação de todos os bancos no PIX para ter competição, diz diretor
A 'guerra das maquininhas' acabou? Entenda para onde vai o mercado de pagamentos

Segundo a Stone, isso representa um ágio de 41,6% sobre o preço médio das ações da Linux nos 60 dias anteriores a 7 de agosto e de 28,3% considerando os 30 dias prévios a esta data.

O estatuto da Linx, de abril, define que a venda do controle da companhia tem que ocorrer mediante uma oferta pública de aquisição de ações (OPA) e que o preço de cada ação não poderá ser menor que 90% "do maior valor de cotação unitária das ações...na B3 e na Nyse no período de 24 meses anteriores à realização da OPA".

As ações da Linx fecharam em alta de 31,5% nesta terça-feira, a R$ 34,40, maior cotação desde fevereiro e maior ganho percentual diário da história do papel. Em Nova York, onde são negociados, os papéis da StoneCo avançaram 11%, a US$ 52,39, cotação recorde de fechamento.

Se a transação não for concluída, a Stone deverá pagar à Linx multa de 605 milhões de reais, "caso a aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) para a operação não seja obtida", segundo fato relevante da Linx.

Mas se a Linx realizar uma operação concorrente caso um terceiro que apresente uma oferta melhor, terá de pagar à Stone multa equivalente. Caso a assembleia da Linx não aprove o negócio, a empresa terá que pagar 25% da multa para a Stone.

Na visão do analista Henrique Lara, sócio da Reach Capital, que tem posição na Linx, a possível fusão é uma das transações com maior potencial de sinergia atualmente disponível no mercado brasileiro.

"A conta simples que sempre foi feita é de que, se uma parte dos R$ 250 bilhões de transações que já passam pelos softwares da Linx forem processados por uma adquirência própria, em que algum pequeno percentual desse montante seja cobrado como custo de transação, trata-se de uma receita já maior do que os cerca de R$ 800 milhões que a Linx atualmente fatura", disse Lara.

Ele elencou ainda possíveis produtos complementares como adiantamento de recebíveis, crédito, contas digitais para as lojas de varejo e seus funcionários, entre outros.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook