Secretário da Fazenda diz que governo vai enviar PEC para fortalecer área social

Waldery diz que “não há possibilidade” de termos políticas de infraestrutura e sociais fortes sem uma política fiscal robusta

Da CNN, em São Paulo
18 de agosto de 2020 às 17:34

Após uma semana de dúvidas sobre a manutenção ou não do teto fiscal, o Governo Federal alinhou o discurso, primeiro com pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) com os presidentes da Câmara dos Deputados e equipe econômica e, depois, com coletiva de Paulo Guedes reafirmando o desejo de manter o teto.

O discurso do ministro da Economia foi ecoado por Waldery Rodrigues, secretário especial da Fazenda, que, em entrevista à CNN nesta terça-feira (18), defendeu o limite de gastos, mas disse que o governo vai buscar melhorar ações na área social também.

“Há a consciência que precisamos de uma política fiscal consistente e que não haja ameaça ao teto de gastos. O que vai acontecer é aumento do social com a busca do equilíbrio fiscal. Será enviada uma PEC ao Congresso que busca fortalecer a área social.”

Leia também

'Fico' de Guedes faz dólar cair e bolsa retomar os 100 mil pontos

Com tombo de até 10% no PIB do 2º tri, governo espera recessão técnica

Bolsonaro: 'Saída de Guedes nunca foi cogitada'

Waldery Rodrigues, secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia
Foto: CNN (18.ago.2020)

Ele garante que o governo está realizando remanejamentos no orçamento de 2021 para que possa comportar o financiamento de obras de infraestrutura sem aumentos gastos, e que as pressões contra o teto existem, mas que eles vão seguir no caminho do equilíbrio fiscal.

“Estamos na fase de fechamento da peça orçamentária para o ano que vem, então essa discussão [de romper o teto de gastos] ganha mais fôlego, mas seguiremos atendendo as demandas das regras fiscais. Estamos vendo remanejamento de orçamento para atender demandas de obras de alto impacto social, sem afetar o orçamento. Se precisarmos de mais dinheiro para as obras iremos tentar via Congresso.”

(Edição: Sinara Peixoto)