Pontos turísticos do Nordeste e do Sudeste são incluídos no plano de concessões

Forte Nossa Senhora dos Remédios, em Fernando de Noronha, e o Forte Orange, na Ilha de Itamaracá, estão entre atrações que terão análise para desestatização

Diego Freire, da CNN, em São Paulo
19 de agosto de 2020 às 02:11 | Atualizado 19 de agosto de 2020 às 02:14
Vista a partir do Forte Nossa Senhora dos Remédios, em Fernando de Noronha
Foto: Instagram/ Binabinapic/ Reprodução

Em decreto publicado no Diário Oficial da União (DOU) desta terça-feira (18), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) qualificou quatro pontos turísticos brasileiros para o Programa de Parcerias e Investimentos da Presidência da República (PPI), que promove estudos para destatização.  

Foram qualificados para o PPI o Forte Nossa Senhora dos Remédios, em Fernando de Noronha (PE), o Forte Orange, na Ilha de Itamaracá (PE), a Fortaleza de Santa Catarina, em Cabedelo (PB), e a Fazenda Pau D`Alho, em São José do Barreiro (SP).

Leia também:
Mercado fitness: Academias recuperam 88% dos alunos após reabertura

Em nota, a Secretaria-Geral da Presidência da República informou que a concessão desses pontos turísticos à iniciativa privada, para sua exploração com fins comerciais, deve "promover a recuperação dos investimentos públicos realizados e o custeio da manutenção, além da preservação do patrimônio histórico e cultural nacional". 

Ainda segundo a pasta, "a iniciativa proporcionará o aumento do fluxo turístico nacional e internacional com consequente benefício para as regiões, como a geração de emprego, renda e desenvolvimento socioeconômico, aumento da arrecadação de impostos e melhoria dos serviços prestados à comunidade local e aos visitantes".

Serviço de aposta esportiva


Em outro decreto, o presidente também acatou a inclusão da aposta esportiva de "Quota Fixa" no PPI. O serviço, atualmente controlado pela União, poderá ser oferecido à iniciativa privada.  

Instituída pela Lei nº 13.756/2018, a modalidade lotérica denominada “Apostas de Quota Fixa”, comumente conhecida como “apostas esportivas”, é aquela na qual o apostador tenta prever o resultado de eventos reais esportivos. 

Com sua inclusão no programa de desestatização, o governo passa a estudar uma modelagem que viabiliza a exploração do serviço pelo mercado privado, sob regulação e fiscalização do Ministério da Economia.

(Com informações da Agência Brasil)